Bovespa e NY abrem em baixa e operam com alta volatilidade

Passeio de montanha-russa do mercado deve continuar nesta sexta; dólar opera em queda e petróleo sobe

Redação,

17 de outubro de 2008 | 10h55

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em baixa nesta sexta-feira, 17, seguindo a tendência registrada ao longo da semana nos mercados mundiais. Os índices da Bolsa de Nova York também abriram no terreno negativo depois de fecharem em forte alta na quinta-feira, com investidores comprando na baixa. Às 10h47 (de Brasília), o Ibovespa cedia 0,56%, aos 36.233 pontos. No mesmo horário, o dólar acentuava a queda (-1,06%), cotado a R$ 2,137, na mínima do dia. Em NY, Dow Jones caía 2%; Nasdaq cedia 1,68% e S&P 500 recuava 2,04%.   Veja também: Bolsas européias caem após abrir em alta Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  EUA anunciam compra de ações dos maiores bancos do país Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise    O passeio de montanha-russa do mercado deve continuar nesta sexta, diante da expectativa de mais volatilidade, com o vencimento das opções de muitas ações e de índices, que geralmente provoca variações mais acentuadas nos preços.   Além disso, o dia começou com um dado negativo nos EUA. A construção de moradias recuou pela terceira vez consecutiva em setembro, caindo 6,3% e atingindo taxa anual sazonalmente ajustada de 817 mil residências, menor nível em 17 anos, e sinalizando um potencial declínio no quarto trimestre.   Depois da quinta-feira forte em divulgação de balanços, a agenda desta sexta trouxe como destaque apenas Honeywell. O conglomerado industrial informou que obteve lucro líquido de US$ 719 milhões (US$ 0,97 por ação) no terceiro trimestre deste ano, 16,3% maior que o de US$ 618 milhões (US$ 0,81 por ação) de igual período do ano passado. A receita aumentou 6,2% nessa base de comparação, atingindo US$ 9,26 bilhões. Analistas consultados pela Thomson Reuters previam em média lucro de US$ 0,95 por ação e receita de US$ 9,59 bilhões.   A companhia disse que conseguiu, em certa medida, isolar suas operações internacionais das dificuldades por que passa a economia norte-americana. Seu executivo-chefe, Dave Cote, disse que a demanda pela tecnologia do grupo e sua posição em diversos setores ajudarão a empresa a continuar registrando bom desempenho apesar das condições atuais.   O petróleo sobe nesta sexta-feira, impulsionado pelo anúncio na quinta-feira da Opep de antecipação de sua reunião de emergência de 18 de novembro para a sexta-feira da semana que vem. Os investidores acreditam que o anuncio indica que os países-membros estão inclinados a cortar a produção.   Na quinta, as ações encerraram o pregão em alta nos EUA, impulsionada por compras de pechincha, que reverteram a queda registrada durante o início da sessão após a divulgação de dados sobre a produção industrial. O Dow Jones Industrial Average subiu 401 pontos, o Nasdaq Composto avançou 89 pontos e o S&P 500 registrou alta de 38 pontos.   (com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespacrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.