Bovespa: empresas não receberiam selo

As companhias abertas brasileiras que se tornaram famosas por adotar práticas de governança corporativa ainda não possuem todos os requisitos necessários para conseguir os selos de qualidade que a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) pretende adotar. A intenção da Bolsa paulista é atestar o grau de transparência de uma empresa em relação ao mercado, por meio da adoção de dois selos. Ideiasnet e Saraiva, por exemplo, não se enquadram em duas exigências do nível 1. A primeira diz respeito à apresentação do fluxo de caixa juntamente com os balanços trimestrais. A segunda trata da divulgação de um calendário anual, incluindo datas de balanços, assembléias gerais e reuniões do conselho de administração. "Nós já publicamos, pela Internet, um calendário corporativo embrionário. Esse projeto vai evoluir, com definição melhor de datas", disse o diretor financeiro e de relações com investidores da Saraiva, João Luiz Hopp.O diretor de relações com investidores da IdeiasNet, Rondon Pacheco, afirmou que a companhia pretende divulgar os fluxos de caixa já no balanço de encerramento de 2000. O selo nível 2 da Bovespa engloba a transformação considerada mais trabalhosa pelas companhias: a divulgação de balanços pelas normas norte-americanas, no chamado US Gaap. De acordo com Pacheco, o próprio fato de a IdeiasNet ser uma companhia de Internet, com receitas diferentes das empresas da chamada "velha economia", dificulta a transformação. Grandes companhias avaliam a medidaOutras grandes companhias ainda estão avaliando a iniciativa da Bovespa. Segundo a assessoria de imprensa da Globocabo, a companhia adotou uma política de transparência e segurança para o acionista que é irreversível. A CSN também está estudando o assunto e pretende fazer uma avaliação mais profunda antes de se posicionar.

Agencia Estado,

01 de dezembro de 2000 | 12h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.