Bovespa fecha em alta de 0,26%; dólar cai

A Bolsa de Valores de São Paulo se descolou nesta quarta-feira do comportamento das Bolsas de Nova York e terminou o dia com valorização, após dois pregões de baixa. O Ibovespa, principal índice, registrou alta de 0,26%, para 42.735 pontos.As ações subiram devido a um movimento natural de recuperação dos preços, depois do acúmulo de perdas já registradas este mês. Mesmo com a correção nos preços hoje, o Ibovespa ainda registra baixa de 3,91% em 2007.O destaque foram as ações ordinárias da CCR, que lideraram o ranking de maiores altas do Ibovespa, fechando com acréscimo de 3,80%. As ações da empresa reagiram a declarações do ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos. Após participar de uma reunião com o presidente Lula e a ministra Dilma Rousseff, Passos disse que o governo pode realizar a concessão dos sete trechos de rodovias federais, suspenso na semana passada por determinação do Palácio do Planalto. Segundo ele, um grupo de trabalho irá avaliar possíveis mudanças no processo. Os papéis da Petrobras, por outro lado, terminaram em baixa, apesar da recuperação no preço do petróleo. As ações preferenciais da Petrobras cederam 0,32, para R$ 44,06. O petróleo subiu 2,01%, para US$ 52,24 o barril em Nova York.Nos Estados Unidos, as bolsas registram perdas. Às 18h20 (de Brasília), o índice Dow Jones recuava 0,03% e o Nasdaq perdia 0,73%. A queda no Nasdaq, índice da Bolsa eletrônica, é mais forte por causa das ações da Intel, que recuam após a divulgação de balanço que desapontou os investidores. Além de estar sob influência dos balanços corporativos, o mercado norte-americano está sendo prejudicado hoje por indicadores econômicos. O índice de preços ao produtor e a produção industrial, ambos de dezembro, vieram acima do esperado pelos analistas, sinalizando risco inflacionário. Mais tarde, o Livro Bege, documento do banco central norte-americano, afastou ainda mais a possibilidade de um corte de juro nos primeiros meses deste ano.DólarO câmbio fechou esta quarta-feira cotado a R$ 2,134 tanto na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) como no mercado interbancário, porém com variações diferentes. Na BM&F, o dólar à vista caiu 0,31%, enquanto o dólar comercial recuou 0,28%.O fluxo cambial positivo, especialmente pelo segmento financeiro, e o recuo do risco Brasil para a mínima histórica intraday (registrada durante o dia) de 186 pontos base, baixa de 3,13% por volta das 16h20, estimularam ofertas de moeda pelas tesourarias, que favoreceram o recuo final, informaram operadores consultados.No leilão de compra, o Banco Central (BC) comprou dólar à taxa de corte de R$ 2,13250. Segundo operadores, foram apresentadas 19 propostas e o BC teria aceitado três delas,. Ainda segundo fontes, de acordo com as propostas divulgadas, o valor mínimo apresentado foi de R$ 2,1305 e o máximo, de R$ 2,134.Mesmo após a divulgação da inflação ao produtor dos Estados Unidos mais cedo, que ficou acima do esperado, o dólar não teve forças para subir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.