Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bovespa fecha em ligeira queda de 0,03%

Começou a contagem regressiva para a reunião do Federal Reserve. Uma redução de 0,5 ponto percentual nas taxas dos Fed funds e de redesconto já está no "preço" dos ativos na Bovespa. Como esta é a previsão unânime dos primary dealers americanos e também de Abby Cohen, da Goldman Sachs, a famosa guru de Wall Street, o mercado optou por colocar o pé no freio e aguardar a confirmação desta aposta. O Ibovespa oscilou da mínima de -1,03% à máxima de +0,75%, para fechar em ligeira queda de 0,03%. O volume financeiro somou R$ 641 mi.O mercado "de lado" foi incentivado ainda pela ausência de notícias domésticas de impacto e pela expectativa da decisão do Tribunal Regional Federal de São Paulo sobre a liminar que impede a realização da licitação da Banda C do Serviço Móvel Pessoal. Até as 18 horas, quando o pregão doméstico se encerrava, o desembargador José Kallas ainda não havia proferido sua sentença. De qualquer forma, uma eventual confirmação da liminar não afetaria negativamente a Bolsa, uma vez que favoreceria, em tese, as empresas já instaladas e listadas na Bovespa. Depois do fechamento do pregão, veio a informação de que o despacho do desembargador só será conhecido amanhã à tarde. O destaque de alta do Ibovespa foi Banco do Brasil PN, com valorização de 6,09%, para R$ 10,10.

Agencia Estado,

29 de janeiro de 2001 | 18h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.