Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Bovespa fecha em queda de 1,8% em meio à tensão política

Antes do feriado, Bolsa interrompeu pequena série de duas altas e encerrou no campo negativo

Fabrício de Castro, O Estado de S. Paulo

04 Setembro 2015 | 17h55

A Bovespa interrompeu uma pequena sequência de duas sessões de ganhos para, nesta sexta-feira, encerrar no território negativo. O ambiente interno deteriorado, com a política no centro das atenções, e o recuo dos índices em Nova York conduziram o Ibovespa. À tarde, a busca por proteção intensificou a venda de ações no Brasil em alguns momentos, em função do fim de semana prolongado tanto no Brasil quanto nos EUA. O Ibovespa fechou em queda de 1,83%, aos 46.497,72 pontos. Na semana, a Bolsa acumulou -1,39%. No ano, a Bovespa recua 7,02%.

O relatório sobre o mercado de trabalho dos americano desagradou e foi o principal dado externo do dia. Não porque veio ruim - embora tenha ficado mesmo abaixo das projeções dos analistas. Mas porque ele fez voltar a crescer a perspectiva de aumento iminente dos juros nos EUA. Essa leitura se deu após os números de meses anteriores terem sido revisados em alta, a taxa de desemprego ter caído e os salários terem subido mais do que o previsto. 

A avaliação dos investidores, assim, após a divulgação dos números, é que cresceu a chance de o BC dos EUA aumentar logo a taxa básica de juros do país. 

Como nos EUA também haverá feriado na segunda-feira - do Dia do Trabalho -, os investidores adotaram a cautela, ainda mais porque os mercados na China estão fechados em razão de um outro feriado e só voltam justamente quando Wall Street não estará funcionando. 

O Dow Jones terminou o dia em baixa de 1,66%, aos 16.102,38 pontos, o S&P caiu 1,53%, aos 1.921,22 pontos, e o Nasdaq terminou com desvalorização de 1,05%, aos 4.683,92 pontos. Na semana, acumularam, respectivamente, -3,25%, -3,40% e -2,99%. 

Do campo político, também vinha pressão. Isso porque, a despeito de certo alívio com a permanência de Joaquim Levy no comando do Ministério da Fazenda, o vice-presidente Michel Temer voltou a colocar lenha na fogueira do cenário político. Ontem, em encontro com empresários, ele afirmou que será difícil para a presidente Dilma Rousseff concluir o mandato se a situação política e econômica não melhorar até meados de 2016. "Hoje, o índice (de popularidade) é realmente muito baixo. Ninguém vai resistir três anos e meio com esse índice", comentou. A fala de Temer foi mal recebida pelo mercado, que viu chances maiores de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Petrobrás ON cedeu 3,32% e PN caiu 2,85%, enquanto Vale ON teve baixa de 2,62% e PNA recuou 3,09%.

Mais conteúdo sobre:
bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.