finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bovespa incentiva queda do dólar abaixo de R$1,75

Moeda norte-americana terminou esta terça-feira cotada a R$ 1,746 real, em baixa de 0,57%

SILVIO CASCIONE, REUTERS

03 de novembro de 2009 | 16h44

O dólar fechou em queda nesta terça-feira, 3, invertendo a trajetória de alta registrada durante a manhã após a Bovespa ganhar força e as commodities se valorizarem no exterior. A moeda norte-americana terminou o dia cotada a R$ 1,746 real, em baixa de 0,57%.

 

Pela manhã, o dólar chegou a subir 1,3%, para R$ 1,779, em meio a um cenário de aversão a risco provocado pela preocupação com o setor bancário depois de um prejuízo do UBS e uma reestruturação dos bancos britânicos Lloyds e Royal Bank of Scotland RBS. À tarde, no entanto, a alta do dólar foi perdendo força gradativamente à medida que a Bovespa se descolava dos mercados internacionais. Às 16h30, enquanto o principal índice da bolsa paulista subia 1,75%, o Dow Jones tinha baixa de 0,4%.

 

Parte da alta na bolsa paulista era justificada pelo desempenho do setor bancário no Brasil, que destoava dos seus pares estrangeiros com o desempenho do Itaú Unibanco no terceiro trimestre. Outro motivo, com maior repercussão sobre o mercado de câmbio, era a alta de 1% do índice Reuters-Jefferies de commodities, em parte por causa do aumento maior que o previsto das encomendas à indústria nos Estados Unidos.

 

A subida da Bovespa ofuscava a cautela do mercado com novas medidas que o governo pode tomar com o objetivo de equilibrar o fluxo de câmbio e evitar uma valorização excessiva do real. "Tem um zum-zum-zum", disse Mario Battistel, gerente de câmbio da Fair Corretora, sobre a incerteza que ronda o mercado desde que o governo decidiu taxar os investimentos estrangeiros em bolsa e renda fixa com alíquota de 2% de IOF.

Tudo o que sabemos sobre:
DOLARFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.