Bovespa: mais negócios com Novo Mercado

O presidente da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), Alfredo Rizkallah, afirmou há pouco que o objetivo do Novo Mercado é aumentar o volume de negócios na Bolsa. Ele explica que o mercado de capitais brasileiro sofreu uma forte saída de recursos nos últimos três anos devido às condições tributárias. "Tenho que reconhecer que a forma de tratamento dos minoritários também contribuiu", afirmou. Nas novas regras para o Novo Mercado estão previstas medidas de boa governança pelas companhias no relacionamento com seus acionistas minoritários. Com relação ao fechamento de capital, para Rizkallah, a onda de ofertas públicas promovida pelas companhias privatizadas afastou os investidores estrangeiros, que estão acostumados com tratamento igualitário. Nesse sentido, as novas regras prevêem o direito de tag along - oferta a todos os acionistas nas condições obtidas pelos controladores, em caso de venda de controle da companhia - e manutenção de um percentual mínimo de 25% das ações em poder do público na ocorrência de ofertas públicas.Ainda, segundo o presidente da Bovespa, o desafio do País é a retomada do crescimento, que deve ocorrer no cenário macroeconômico mais favorável. "O mercado de capitais torna-se a porta de entrada do crescimento das companhias", disse. Ele afirmou que atualmente vivemos a era das corporações, caracterizadas pela ampla pulverização do capital com a troca de ações, presença de investidores institucionais e a governança corporativa. E, nesse sentido, ele acredita que Brasil não tem corporações pela falta de um mercado acionário forte e com ampla liquidez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.