Bovespa opera com certa independência da Nasdaq

A continuidade da queda do dólar e a antecipação do leilão da Banda D do Serviço Móvel Pessoal para a próxima terça-feira foram forças suficientes para a Bovespa voltar a operar com relativa independência da Nasdaq. O índice da carteira teórica paulista fechou em baixa de 0,60%, nos 17.138 pontos, e o volume financeiro somou R$ 550 mi. Já a Nasdaq operou em queda forte durante toda a tarde e registrava desvalorização de 3,54% às 18 horas, quando os negócios se encerravam no Brasil. O giro mais fraco ratificou a constatação de que os vendedores andam ariscos, pois seria temerário manter posições vendidas em excesso com a proximidade da reunião do Copom -próximas terça e quarta-feira-, quando poderá acontecer uma redução da Selic. De outro lado, o vencimento do contrato de Ibovespa futuro na quarta tenderá a esquentar a briga entre comprados e vendidos na segunda e terça, o que normalmente esconde a real tendência do mercado. E a tendência, segundo operadores, se mantém de alta. Isso tendo em vista o cenário de inflação sob controle -o IPCA de janeiro, de 0,57%, ficou dentro das expectativas- e de arrecadação recorde para o mês de janeiro, de R$ 17,369 bi, segundo a Receita Federal. Foram dois ótimos sinais de recuperação da atividade econômica, conjugada à ausência de pressão sobre os preços.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.