Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bovespa opera com volatilidade e cautela prevalece

A Bolsa de Valores de São Paulooperava com leve alta no final da manhã desta sexta-feira, emuma sessão de intenso sobe-e-desce. Os mercados internacionais estavam um pouco mais calmos,depois que o Federal Reserve reduziu a taxa de redesconto, masinvestidores estavam bastante apreensivos. Às 13h18 o Ibovespa subia 0,31 por cento, para 48,163pontos, depois de cair 13 por cento nos últimos seis pregões. Ovolume financeiro era de 3,5 bilhões de reais. "Hoje tivemos o Fed tomando uma atitude, mas ainda não é deredução do juro na ponta que precisa ser e o risco continuaelevado. Quem está fazendo a inibição de uma evolução rápida domercado (brasileiro) é o próprio (investidor) local também. E oestrangeiro não está na ponta de compra ainda", disse NamiNeneas, responsável pelo setor de renda variável do BanifPrimus. Os mercados abriram com forte alta nesta sessão, animadoscom a notícia de que o Federal Reserve reduziu o juro cobradopor ele nos empréstimos a bancos comerciais em 0,5 ponto,movimento para acalmar os mercados mundiais em meio aos temorescom o setor de crédito e a liquidez. Nos EUA, os principais índices abriram em alta de mais de 2por cento, mas desaceleraram a alta. O Ibovespa chegou a subir3,3 por cento, mas logo inverteu o rumo, caindo 2,4 por cento,para depois voltar para o zero a zero. "Embora o Fed tenha tentado acalmar os mercados, o pessoalainda está muito cauteloso, porque a situação toda ainda nãoestá resolvida. Ainda existe o risco de novos fundos apareceremcom problemas... Isso tira um pouco o ânimo", disse o gestor deuma corretora nacional que preferiu não ser identificado. "Eu compraria nesse nível de preço... o mercado está 10 milpontos mais barato, mas tem muita gente assustada. A grandemassa tomou um susto ontem", disse Neneas, do Banif. No piormomento da quinta-feira, o Ibovespa perdeu quase 9 por cento. "Não dá para falar em recuperação rápida agora. Éimportante ver que temos um cenário bacana para o Brasil, masnão está claro o que vai acontecer lá fora. Enquanto a gentetiver essa possibilidade de novos nomes no mercado, nós vamossofrer ainda", acrescentou. A corretora Fator divulgou relatório esta manhã elevando arecomendação de nove papéis e reforçando a recomendação decompra de outros 17. "Em função das recentes quedas das ações sem alterações nosfundamentos das companhias, várias opções de investimentotornaram-se atraentes novamente", escreveu a corretora. Entre as baixa na Bovespa estavam papéis de bancos.Bradesco recuava 2,2 por cento e Unibanco perdia 1,65 porcento. Os principais bancos brasileiros enviaram comunicados aomercado entre a noite da véspera e esta manhã para garantir quenão estão expostos ao mercado de crédito imobiliário de risconos Estados Unidos ou de outros países [nN17455617]. A estreante Cosan Limited, que não pertence ao Ibovespa,operava em queda de 2,99 por cento, enquanto a subsidiáriaCosan S.A. subia 0,82 por cento. (Por Juliana Siqueira)

REUTERS

18 de agosto de 2007 | 00h25

Tudo o que sabemos sobre:
NEGOCIOSBOVESPAALMOCO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.