finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bovespa pega fôlego na hora final e sobe 1,41%

Desempenho foi comedido em praticamente toda a seção e deslanchou na última meia hora

Claudia Violante, da Agência Estado,

05 de novembro de 2009 | 18h29

Depois de dois dias seguidos em alta, a Bovespa tentou engatar uma realização de lucros no pregão desta quinta-feira, 5. Mas o fôlego foi curto: durou apenas até a abertura, em alta, das bolsas norte-americanas. Os indicadores melhores do que as previsões divulgados por lá e notícias do setor tecnológico deram impulso às ações, que deixaram de lado as preocupações com o relatório do mercado de trabalho a ser divulgado na sexta-feira, 6. Por causa do vigor do fechamento quarta-feira, 4, melhor do que em Wall Street, o índice doméstico teve um comportamento bem mais comedido em praticamente toda a sessão, passando o período da tarde praticamente 'estagnado' ao redor de 0,5%, 0,6%. Mas na meia hora final, o índice deu uma esticada e retomou os 64 mil pontos.

 

Veja também:

link Dólar segue tranquilidade no exterior e cai pelo terceiro dia

 

Na terceira sessão seguida em elevação, a Bovespa avançou 1,41%, aos 64.815,72 pontos, acumulando neste intervalo - que corresponde ao mês de novembro - +5,31%. No ano, sobe 72,61%. Na mínima o dia, registrou 63.700 pontos (-0,33%) e, na máxima, 64.830 pontos (+1,43%). O giro financeiro totalizou R$ 5,464 bilhões. Os dados são preliminares.

 

"O volume hoje (quinta-feira, 5) foi mais fraco e alta foi influenciada por Nova York. No curto prazo, a Bovespa pode patinar um pouco, principalmente na primeira linha, que subiu bastante", comentou o analista sênior da TOV Corretora, André Mello. Segundo ele, a realização ensaiada nesta quinta pode acontecer de fato na sexta-feira, 6, se o payroll vier em linha com as previsões, o que já está precificado.

 

Os investidores decidiram mudar de mão, de venda para compra, depois que os pedidos de auxílios-desemprego caíram muito mais do que era previsto nos EUA. Na semana passada, a queda foi de 20 mil, ante previsão de -5 mil. Além disso, a produtividade da mão de obra subiu 9,5% no terceiro trimestre, ante previsão de 7%. Este último dado, no entanto, foi lido com alguma ressalva, já que pode ser um sinal de que os empresários estão demitindo para economizar dinheiro.

 

Além dos índices, o balanço da Cisco Systems também colaborou com o clima positivo do mercado. A empresa anunciou lucro acima do esperado no primeiro trimestre fiscal, de US$ 1,8 bilhão (US$ 0,30 por ação). A Research In Motion - fabricante do Blackberry - também deu sua contribuição, depois de afirmar que vai recomprar até US$ 1,2 bilhão em ações próprias.

 

Nasdaq, assim, tinha a maior alta entre os índices e subia, às 18h20, 2,40%. Dow Jones avançava 2,14% e S&P, 1,88%.

 

As commodities nesta quinta-feira, 5, não serviram como aditivo à alta das ações, uma vez que metais e petróleo terminaram em baixa. Na Nymex, o contrato do petróleo para dezembro recuou 0,97%, a US$ 79,62 o barril. Os papéis da Petrobras, no entanto, subiram, assim como os da Vale. Petrobras ON, +2,38%, e PN, +1,96%. Na quarta-feira, 4, a Petrobras assinou acordo para aquisição da Chevron Chile, que produz lubrificantes, por cerca de US$ 12 milhões.

 

Vale ON teve ganho de 0,43% e PN, de 0,77%. A Vale esteve no noticiário desta quinta com a informação de que o grupo siderúrgico ArcellorMittal vai investir US$ 5 bilhões para construir, em parceria com a mineradora brasileira, a Companhia Siderúrgica de Ubu, no Espírito Santo. O grupo indiano vai substituir a chinesa BaoSteel, que desistiu do projeto durante a crise financeira.

 

Gerdau PN avançou 2,04%, puxada pelo balanço do terceiro trimestre. Agradou o lucro líquido de R$ 655 milhões no terceiro, que reverteu um prejuízo de R$ 329 milhões no trimestre imediatamente anterior, quando o resultado foi afetado por uma baixa contábil de ativos. Nas demais siderúrgicas, Metalúrgica Gerdau PN subiu 1,95%, Usiminas PNA, 1,08%, CSN ON, 0,63%.

 

Em outro balanço, a Vivo anunciou lucro líquido de R$ 340 milhões no terceiro trimestre, cifra 154% maior que os R$ 133,9 milhões contabilizados em intervalo correspondente de 2008. Comparativamente ao trimestre imediatamente anterior, o avanço é de 97,2%. As ações PN subiram 5,19%, na maior alta do Ibovespa.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespabolsaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.