Bovespa perde 1,6% com temores renovados sobre os EUA

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) caiu 1,6% nesta quarta-feira, dia 28, refletindo uma maior preocupação com os Estados Unidos depois de dados fracos da economia norte-americana e comentários do presidente do banco central do país, Ben Bernanke. Foi o segundo consecutivo de perdas. O volume financeiro ficou em R$ 3,25 bilhões. O dólar fechou em alta de 0,29%, cotado a R$ 2,0690. As encomendas de bens duráveis norte-americanas aumentaram 2,5% em fevereiro, abaixo do esperado por economistas, o que reforçou o receio de um desaquecimento muito acelerado da maior economia mundial. Aliado a isso, Bernanke relatou em discurso ao Congresso dos EUA que está desconfortável com a inflação e que as incertezas sobre a economia norte-americana de certa forma aumentaram. As bolsas em Nova York acabaram caindo e levaram a Bovespa na esteira. O índice Dow Jones - que mede o desempenho das ações mais negociadas - fechou em queda de 0,78%. A Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e internet - caiu 0,83%. "O principal risco continua vindo lá dos EUA, são as notícias externas que acabam balizando os negócios aqui dentro", explicou Kelly Trentin, analista da corretora SLW. "Tudo bem que os dados imobiliários ainda não contaminaram a economia, mas os investidores estão um pouco reticentes ao que esse setor pode contribuir negativamente para a economia", completou. Na contramão do desempenho negativo do mercado, as ações da Gol e da Varig tiveram alta expressiva, reagindo as notícias na mídia que apontavam para a compra da última. Depois do fechamento, a Gol informou que adquiriu a Varig em operação que pode chegar a US$ 320 milhões. Os papéis da Gol fecharam com ganho de 4,17%, enquanto as ações da Varig dispararam 10,28%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.