Bovespa quer criar Bolsa Popular

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) firmou acordo com a Força Sindical como forma de democratizar o capital das empresas junto aos trabalhadores brasileiros. Segundo o novo presidente da instituição, Raymundo Magliano Filho, a iniciativa é o embrião de uma futura Bolsa Popular. A experiência de utilizar até 50% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) com a compra de ações da Petrobrás no ano passado chamou a atenção dos trabalhadores para o mercado acionário. Ele disse que a parceria com a Força Sindical terá como primeira iniciativa o patrocínio pela Bovespa de cursos sobre mercado de capitais para os trabalhadores e a disponibilidade de terminais do MegaBolsa (sistema eletrônico de negociações) em locais indicados pela Força Sindical. Magliano destacou que, para ampliar a credibilidade do mercado, a Bovespa está criando a figura do "Ombudsman" que apoiará o investidor por meio de atendimento de dúvidas e reclamações e mediando conflitos. O novo presidente da Bovespa anunciou que pretende em sua gestão ampliar o diálogo com a sociedade com a criação de um Fórum Consultivo, composto por sindicatos, empresas, universidades, organizações não-governamentais e dos poderes Legislativo e Judiciário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.