Bovespa reabre pregão após circuit breaker e cai mais de 9%

Mercados mundiais acentuam perdas nesta tarde reagindo às declarações pessimistas do presidente do Fed

Redação,

15 de outubro de 2008 | 15h29

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) reabriu no o pregão após ativar o circuit breaker às 14h25, quando o Ibovespa acumulou queda de 10% no dia. Os negócios ficaram parados durante meia hora. Os mercados mundiais acentuaram suas perdas nesta tarde reagindo às declarações dadas pelo presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke. Destacando as ameaças ao crescimento econômico, Bernanke alertou que os mercados de crédito levarão tempo para descongelar e acrescentou que, mesmo se os mercados financeiros se estabilizarem, a economia não irá se recuperar logo em seguida. Às 15h27 (de Brasília), o índice reduzia as perdas para 9,65%, aos 37.554 pontos, depois de ter caído mais de 11%.  Veja também:Fed não descansará enquanto não resolver crise, diz BernankeConsultor responde a dúvidas sobre crise  Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise  Em Nova York, as declarações de Bernanke se somam ao ambiente ruim para os negócios desde o início do dia. A divulgação de três indicadores macroeconômicos piores do que o esperado - vendas no varejo, índice de preços ao produtor (PPI) e índice Empire State - fizeram aumentar as preocupações entre os players sobre a saúde da economia. Às 15h30 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 5,20%, enquanto o Nasdaq cedia 5,35%.  Já na Europa, as bolsas de valores mergulharam quase 7% nesta quarta-feira, rompendo o rali acentuado dos últimos dois dias, na esteira do aumento dos temores de que as medidas dos governos para combater a crise de crédito não impeçam a economia global de entrar em recessão. O índice FTSEurofirst 300, que reúne as principais ações do continente, despencou 6,46%, para 903 pontos. O indicador, que já acumula queda de 40% neste ano, subiu 10% na segunda-feira e 3,1% na terça-feira.  "É o início do fim da crise financeira, mas mais além está se revelando a recessão global", disse Emmanuel Morano, diretor de administração de ativos na La Francaise des Placements, em Paris. "Os temores de uma recessão global são justificados e têm sido precificados muito rapidamente. Os valores de mercado das empresas no setor de matérias-primas são apocalípticos."  Os dados desanimadores sobre as vendas no varejo nos Estados Unidos, que apresentaram o maior declínio mensal em mais de três anos, contribuíram com o pessimismo desta quarta-feira. As ações do setor de energia também caíram, à medida que os preços do petróleo recuaram para cerca de 75 dólares o barril. Em Londres, o índice Financial Times mergulhou 7,16%, a 4.079 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX desabou 6,49%, para 4.861 pontos. Em Paris, o índice CAC-40 despencou 6,82%, para 3.381 pontos. Em Milão, o índice Mibtel encerrou em queda de 4,95%, a 16.840 pontos. Em Madri, o índice Ibex-35 registrou recuo de 5,06%, para 9.706 pontos. Em Lisboa, o índice PSI20 teve desvalorização de 3,06%, para 7.008 pontos. Circuit breaker O circuit breaker é um mecanismo utilizado pela Bovespa que permite, na ocorrência de movimentos bruscos de mercado, o amortecimento e o rebalanceamento das ordens de compra e de venda. Esse instrumento constitui-se em uma "proteção" à volatilidade excessiva em momentos atípicos de mercado, segundo informa a Bolsa. Os negócios ficarão interrompidos por 30 minutos. Reabertos os negócios, caso a variação do Ibovespa atinja uma oscilação negativa de 15% em relação ao índice de fechamento do dia anterior, os negócios na Bovespa, em todos os mercados, serão interrompidos por uma hora. (com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespacrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.