finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bovespa recua com cautela sobre exterior e à espera de agenda

O bom desempenho das bolsas norte-americanas não inspirou a Bovespa, que fechou com leve viés de queda, refletindo a cautela dos agentes financeiros com o que pode surgir no fim de semana e também diante da agenda pesada aqui e no exterior nos próximos dias. Assim como no mercado de petróleo - onde os investidores zeraram posições, evitando passar o final de semana expostos ao risco -, na Bovespa também os agentes aliviaram as carteiras para ficarem mais leves. O Ibovespa cedeu 0,07%, para 66.902,53 pontos. Na semana, acumula perda de 1,71% e, no mês, tem ganho de 0,49%.

Cenário: Sueli Campo, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2011 | 00h00

Em Nova York, após ter se estabilizado durante boa parte do dia, o petróleo para entrega em abril fechou em alta, somando ganho espetacular na semana (13,5%). O temor sobre as consequências da interrupção nas exportações de petróleo pela Líbia foi contornado pelas garantias dadas pela Arábia Saudita, Agência Internacional de Energia e Casa Branca de que abastecerão o mercado. Isso acalmou os ânimos e o Dow Jones subiu 0,51%, o S&P 500 avançou 1,06% e o Nasdaq, 1,58%.

Nos juros, a aposta de alta da taxa Selic em 0,75 ponto porcentual em março, que na quinta-feira era majoritária sobre a opção de 0,5 ponto, ontem perdeu um pouco de terreno e, assim, o mercado terminou a semana dividido sobre o resultado do Copom na quartafeira. Na BM&F, as taxas tiveram leve declínio: para janeiro de 2012 saiu de 12,62% no ajuste de quinta-feira para 12,60% ontem.

O dólar, que mostrou recuperação no exterior, manteve-se em queda ante o real, No balcão, a moeda caiu 0,12%, a R$ 1,663, com recuo de 0,06% na semana, apesar dos leilões do Banco Central.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.