Bovespa registra em maio segunda maior alta do ano

Nem upgrade, nem descoberta de petróleo; esta sexta-feira, 30, foi o dia da Vale brilhar no pregão

Claudia Violante, Agência Estado

30 de maio de 2008 | 17h46

Nem upgrade, nem descoberta de petróleo. Esta sexta-feira, 30, foi o dia de a Vale brilhar no pregão da Bovespa, garantindo ao índice o segundo melhor fechamento mensal de 2008. O índice subiu 1,11%, aos 72.592,5 pontos, totalizando em maio uma alta de 6,96%. O melhor desempenho do ano ocorreu em abril (+11,3%), garantido no último dia pelo upgrade da Standard & Poors. Mesmo ontem a Fitch tendo dado também o investment grade ao Brasil, a nota já estava precificada nos ativos e, por isso, não houve entusiasmo.  O índice oscilou nesta sexta-feira, 30, entre a mínima de 71.766 pontos (-0,04%) e a máxima de 72.862 pontos (+1,48%). No ano, a Bolsa acumula ganhos de 13,63%. O volume financeiro disparou na reta final da sessão e totalizou R$ 8,567 bilhões (preliminar), elevando o resultado acumulado no mês para R$ 140,613 bilhões (preliminar), o segundo maior volume mensal do Plano Real, atrás apenas do registrado em outubro do ano passado, de R$ 148,402 bilhões.  A alta dos metais no exterior garantiu a recuperação da Vale, que teve ainda um empurrão da expectativa de que sua participação de 2,9% na Usiminas seja adquirida pela Nippon Steel, o que significaria a entrada de R$ 912 milhões no caixa da empresa (valor pelo qual a fatia foi avaliada). Segundo relatório da Link Investimentos, a Nippon estaria avaliando usar a Usiminas como trampolim para atingir os Estados Unidos, Europa e África. Vale ON subiu 1,64% e Vale PNA, 1,80%. Petrobras teve uma participação altista de destaque durante todo o dia, mas acabou invertendo no final. Além da elevação do petróleo no exterior, a empresa ainda anunciou uma nova descoberta de petróleo, mais leve, ou seja, de melhor qualidade, na Bacia de Santos. Por estar acima da camada de sal, os custos de extração serão menores. Com a realização na reta final, Petrobras ON caiu 1,05% e Petrobras PN, 0,69%. No mês, no entanto, as ações tiveram elevação de 13,44% e 16,11%, na mesma ordem.  Na Nymex, o contrato para julho do petróleo subiu 0,58%, para US$ 127,35. Em maio, o barril subiu 12,97%. De janeiro até agora, o petróleo acumula alta de 36,28% e, em um ano, a valorização é de 83,47%. Ainda na área energética, as ações de Eletrobrás lideraram os ganhos do Ibovespa, com 14,79% as ON - e 9,22% as PNAB, reagindo à expectativa de que será dada uma solução à sua dívida de R$ 8,5 bilhões em dividendos.

Tudo o que sabemos sobre:
economiabovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.