Bovespa resiste à queda de commodities e sobe 0,27%

A Bolsa de Valores de São Pauloresistiu aos efeitos da pressão da queda nos preços dascommodities sobre algumas das ações mais negociadas no mercadodoméstico e, pegando carona na forte alta das praçasnova-iorquinas, fechou em leve alta nesta quinta-feira. Um dia depois de tombar 5 por cento, o Ibovespa chegou aesboçar outro dia de fortes perdas nesta véspera de feriado dePáscoa. No pior momento, o índice teve queda de 1,7 por cento.Depois, acompanhou à distância a volta do otimismo em WallStreet até fechar em alta de 0,27 por cento, aos 58.987 pontos. O giro financeiro foi de 4,9 bilhões de reais. A recuperação foi bem mais expressiva em Wall Street, ondeo índice Dow Jones fechou o dia com alta de 2,16 por cento. Deacordo com especialistas, esse descasamento em relação àperformance internacional refletiu a análise dos diferentesdesdobramentos do declínio da cotação das commodities aqui e láfora. Nesta quinta-feira, o barril do petróleo negociado em NovaYork caiu 0,7 por cento, em meio à preocupação de que umarecessão nos Estados Unidos derrube a demanda pelo produto. Ospreços de produtos agrícolas e de metais também caíramfortemente. "Para os Estados Unidos, commodities em baixa significaminflação menor; para nós, queda nas receitas de grandesempresas exportadoras", disse Carlos Alberto Ribeiro, diretorda Novação DTVM. Nesta quinta-feira, a pressão vendedora sobre blue chipscomo Petrobras e Vale perdeu força. As ações preferenciais dapetroleira fecharam estáveis, a 69,40 reais. Já aspreferenciais da mineradora recuaram 0,14 por cento, cotadas a44,20 reais. Desta vez, as ordens de venda atingiram com mais força ospapéis de siderúrgicas. Os papéis ordinários da CompanhiaSiderúrgica Nacional apareceram entre as líderes de baixa doIbovespa, ao caírem 3,2 por cento, a 60,99 reais. Na mão contrária, as ações preferenciais da AES Eletropauloforam as vedetes do dia, subindo 7,1 por cento, para 130,49reais, depois de a distribuidora paulista de energia elétricainformar que vai pagar 715 milhões de reais em dividendos paraseus acionistas, o que corresponde a todo o lucro líquido de712,6 milhões de reais em 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.