Bovespa se recupera com alta em NY, mas aguarda Bernanke

Esperança de corte maior no juro dos EUA anima bolsas; clima positivo, porém, depende de presidente do Fed

Sueli Campo, da Agência Estado,

11 de setembro de 2007 | 10h24

Depois do tombo de 3,51% da segunda-feira, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) aponta para um dia de recuperação, estimulada pela melhora dos índices futuros de ações em Nova York e na Europa. Às 10h16, o principal índice da Bolsa subia 1,42%, aos 53.401 pontos. No mercado de câmbio, o dólar caía 0,57%, cotado a R$ 1,935.  A esperança de um corte maior de juro nos EUA, na reunião do Fomc da próxima terça-feira, é que está motivando as compras nos mercados acionários mundiais. Mas a continuidade desse clima positivo está atrelada ao pronunciamento do presidente do Fed, Ben Bernanke, às 12h, em Berlim. Ele vai falar sobre "desequilíbrios globais: acontecimentos recentes e perspectivas", durante conferência do Bundesbank alemão. O mercado vai buscar nas entrelinhas do discurso de Bernanke alguma sinalização sobre o rumo da política monetária do Fed. A expectativa de corte de juro de 0,25 pp se consolidou de sexta-feira para cá, após o fechamento de 4 mil vagas nos EUA em agosto. Agora, muitos analistas vêem a possibilidade de uma redução maior, de 0,50 pp para incentivar a economia e amenizar o impacto da crise do suprime.  Outro ponto alto da agenda é o depoimento do presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, sobre a recente turbulência dos mercados em sessão extraordinária do Comitê de Assuntos Econômicos e Monetários do Parlamento Europeu em Bruxelas. Petróleo O petróleo também está na ordem do dia por causa da reunião semestral da Opep, em Viena. Segundo representantes da Opep, o cartel avalia a possibilidade de elevar as cotas de produção em 500 mil a 700 mil barris por dia, para conter as preocupações relacionadas ao aumento da demanda por energia típica do quarto trimestre do ano, inverno no Hemisfério Norte. O mercado está preocupado com o impacto dos preços elevados do petróleo, que estão no nível de US$ 77 o barril. As ações da Petrobras, que na segunda seguiram o Ibovespa e fecharam em queda de mais de 2%, devem acompanhar a melhora geral do mercado. Além disso, o papel deve repercutir a notícia, anunciada após o fechamento do pregão, da descoberta de um outro campo de petróleo na Bacia de Campos, no Rio. Localizada em águas ultraprofundas, a jazida pode ter reservas superiores a 400 milhões de barris de petróleo equivalente (somado ao gás).  Inflação chinesa  Na Ásia, a maior parte das bolsas asiáticas fechou em alta. Mas as da China tiveram a maior queda desde 5 de julho, levando junto a de Hong Kong, por conta de temores de aperto monetário após a divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI) de agosto, que teve a maior alta em 11 anos. A inflação na China atingiu 6,5% no comparativo anual, em agosto, alimentando preocupações sobre um aperto monetário no país e fez o índice Xangai Composto ceder 4,5%. O Shenzhen Composto caiu 5,3%.

Tudo o que sabemos sobre:
Aversão ao riscoBovespadólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.