Bovespa segue EUA e acentua queda nesta quinta-feira

Mercado brasileiro de ações reflete comunicado do BC dos EUA e rebaixamento de papéis da Grécia

estadao.com.br,

17 de dezembro de 2009 | 14h13

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em baixa desde a abertura dos negócios desta quinta-feira, 17, e, durante a tarde, acentuou o ritmo de perdas. Às 17h10, caía 2,39%, aos 66.979 pontos, depois de já ter registrado baixa no pregão anterior.

VEJA TAMBÉM:
Bolsas na Europa caem, após cinco dias de alta

 

No mesmo horário, o índice Dow Jones, referência da bolsa nova-iorquina, caía 0,91%; o Nasdaq, do setor de tecnologia, descia 0,96%.

 

O comunicado do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), divulgado no final da tarde da quarta-feira (16), que apontou sinais recentes de melhora da economia e de redução da deterioração do mercado de trabalho, reduz interesse por ações inclusive no mercado brasileiro.

 

Também contribui para a queda da Bolsa a decisão da agência de classificação de risco Standard &Poor’s de rebaixar a nota dos papéis da dívida Grécia, passando de "A-" para "BBB+". A agência ainda alertou sobre a possibilidade de mais um rebaixamento.

 

Nos Estados Unidos, o número de pedidos de auxílio-desemprego subiu em 7.000 na semana encerrada no último dia 12; analistas ouvidos pela Dow Jones esperavam queda de 9.000.

 

Também nos EUA, o Citigroup fez oferta de ações, e o preço dos papéis saiu mais baixo que o esperado.

 

O mercado de matérias-primas trazia preços em queda, o que influenciava os papéis de empresas brasileiras ligadas ao setor.

 

No Brasil, a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada hoje cedo não trouxe nenhum sinal sobre possível antecipação do ciclo de alta da taxa básica de juros (Selic), que foi mantida em 8,75% na reunião da semana passada, pela terceira vez consecutiva. A ata reconhece uma melhora na atividade do comércio, indústria e mercado de trabalho desde a última reunião do grupo, em outubro.

 

O Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) de dezembro divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) atesta o cenário benigno de inflação, ao mostrar baixa de 0,07%. Com isso, o IGP-10 encerrou 2010 com deflação de 1,68%, menor taxa da história do índice.

 

Texto atualizado às 17h10

 

(com Sueli Campo, da Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.