Bovespa segue mercados internacionais e abre em alta

Bolsas norte-americanas e europeias sobem em resposta à ajuda do governos dos EUA ao Bank os America

Sueli Campo, da Agência Estado,

16 de janeiro de 2009 | 11h46

O mercado de ações brasileiro se inspirou no clima positivo externo e abriu em alta nesta sexta-feira, 16. A Bolsa de Valores de São Paulo subia 1,12% às 11h43, aos 39.593 pontos. Mas o vencimento de opções sobre ações na segunda-feira impõe volatilidade extra aos negócios, principalmente em Petrobras e Vale, papéis que concentram a disputa nas opções. Na quinta-feira, as ações das duas blue chips fecharam em alta na contramão das commodities e a expectativa de hoje é de um dia favorável para Petrobras e Vale (Petrobras PN subia 1,74% e Vale PNA avançava 2,27% nas primeiras transações). Veja também:Governo americano injeta US$ 20 bi no Bank of AmericaCitigroup tem prejuízo de US$ 8,3 bi e se divide em doisDe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  As bolsas norte-americanas e europeias trabalham em alta em resposta à injeção de US$ 20 bilhões do governo dos EUA ao Bank of America (BofA) e a garantia de US$ 118 bilhões em ativos para ajudar o banco a absorver o Merrill Lynch. A aprovação, na quinta à noite, pelo Senado dos EUA da liberação da segunda parte dos US$ 350 bilhões do Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp), também contribui. A ajuda ao BofA encobre os balanços ruins do Citigroup e do próprio BofA referentes ao quarto trimestre. O Citi registrou prejuízo de US$ 8,29 bilhões no quatro trimestre, equivalente a uma perda de US$ 1,72 por ação, acima das estimativas dos analistas de US$ 1,14. O BofA informou prejuízo de US$ 0,48 por ação, quando a previsão era de lucro. O prejuízo líquido atingiu US$ 1,79 bilhão no quarto trimestre de 2008. O mercado também respira aliviado com a finalização do termos do acordo pelo qual o governo dos EUA vai garantir US$ 301 bilhões em ativos ao Citigroup. As ações do Citi subiam 4,9% em Nova York e o BofA 5,7%. Com isso, as perspectivas são de uma abertura favorável aos papéis do setor financeiro na Bovespa.  No mercado de commodities, o clima também está mais leve esta manhã, embora longe da normalidade dado a fraqueza da economia global. Os metais básicos operam em alta amparados em fatores técnicos e na recuperação das bolsas. O petróleo está oscilando, em torno de US$ 35 o barril no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). Petrobras No caso de Petrobras, os operadores estão na dúvida sobre qual leitura vai prevalecer em relação aos dados das reservas de petróleo e gás natural no Brasil divulgadas nesta manhã. Pelos critérios da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e da Society of Petroleum Engineers (SPE), as reservas provadas de petróleo e gás natural registraram crescimento de 1,2% em 2008 , em 14,093 bilhões de barris de óleo equivalente. Já levando-se em conta a métrica da SEC, órgão regulador do mercado de capitais norte-americano, as reservas caíram 5% em relação a 2007, para 10,274 bilhões de barris. Segundo uma fonte, os investidores estrangeiros podem dar preferência à leitura da SEC, que indica queda de 5% na reservas. As principais diferenças entre as estimativas da SEC e da ANPe SPE ocorrem devido à diferença nos critérios (preço de valoração do petróleo, prazo de concessão e reservas de gás), e a não contabilização de projetos em estágio inicial de concepção para desenvolvimento da produção. Segundo a Petrobras, as descobertas do pré-sal da Bacia de Santos não estão incluídas nesses resultados de 2008.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.