Bovespa segue piora em Nova York e cai nesta tarde

Reação positiva à ajuda norte-americana ao Bank of America e ao Citigroup não sustenta bolsas em alta

Agência Estado,

16 de janeiro de 2009 | 15h39

A animação nos mercados após o anúncio da ajuda do governo norte-americano ao Bank of America e ao Citigroup não se sustentou durante a tarde. A Bolsa de Valores de São Paulo inverteu o sinal nesta tarde e passou ao terreno negativo, seguindo a piora de desempenho do mercado acionário de Nova York. Às 15h43, o Ibovespa cedia 0,61%, aos 38.913 pontos. Em Nova York, o índice Dow Jones caía 0,11%, o Nasdaq registrava baixa de 0,30% e o S&P-500 recuava 0,39%. Veja também:Bolsas europeias fecham em alta, mas perdem na semanaGoverno americano injeta US$ 20 bi no Bank of AmericaCitigroup tem prejuízo de US$ 8,3 bi e se divide em doisDe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  No mercado cambial, o dólar reduziu a depreciação do dia ante a moeda brasileira. O dólar comercial tinha queda de 1,76% em relação à taxa de encerramento dos negócios ontem e valia R$ 2,338, maior cotação do dia até o horário citado. Na mínima desta sessão, a moeda foi vendida a R$ 2,307. Na BM&F, o dólar negociado à vista também caía 1,76%, a R$ 2,338. Apesar da reação positiva à ajuda norte-americana, os investidores continuam lidando com um cenário de recessão econômica nos próximos meses. Nesta sexta, a administração do presidente George W. Bush disse que a economia dos EUA deverá emergir da recessão apenas no segundo semestre do ano. O relatório, preparado pelo Conselho de Assessores Econômico da Casa Branca, diz que o crescimento econômico deve ser um anêmico 0,6% este ano, depois de uma contração de 0,2% em 2008. É esperada uma continuidade da contração no primeiro semestre do ano, antes da retomada do crescimento no segundo semestre. Para 2010 e 2011, a Casa Branca projeta um crescimento de 5,0%.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.