Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bovespa segue Wall Street e cai; dólar cede mais de 4%

Amparadas pelo PIB francês, bolsas européias passam o dia em alta e fecham no terreno positivo

Sueli Campo, da Agência Estado,

14 de novembro de 2008 | 15h35

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) passeou entre o terreno positivo e negativo durante a manhã, com os investidores sem saber se seguem a Europa, onde prevaleceu o sinal de alta, ou se acompanham o pessimismo norte-americano. Às 15h23 (de Brasília), o Ibovespa caia 2,46%, aos 35.108 pontos, em sintonia com Wall Street. Em Nova York, Dow Jones aprofundava a queda para 3,80% e Nasdaq cedia 4,61%. No mesmo horário, o dólar caia 4,66%, cotado a R$ 2,269, na mínima do dia até agora.  Nesta sexta, os índices de Nova York caem pressionados pela queda recorde nas vendas do varejo dos EUA em outubro, de 2,8%, dizimando a confiança dos investidores depois de um início do dia de más notícias. Logo cedo, o mercado recebeu a confirmação de que a zona do euro entrou em recessão pela primeira vez. O PIB da região encolheu 0,2% no terceiro trimestre ante o segundo, depois de ter contraído também 0,2% no segundo trimestre frente ao primeiro.  A França, no entanto, escapou da recessão, mas viu o PIB do terceiro trimestre minguar para 0,1%. Amparadas pelo PIB francês, as bolsas européias passaram o dia em alta e fecharam no terreno positivo. Londres fechou em alta de 1,53%; Paris subiu 0,67%; Frankfurt ganhou 1,31%; Milão subiu 2,04%; Madri valorizou-se 1,05%; e Lisboa ganhou 0,69%. Além dos dados corporativos ruins nos EUA, o noticiário corporativo segue desanimador, com as varejistas anunciando queda nos resultados e revendo para baixo as suas projeções e a Sun Microsystems e Citigroup anunciando cortes de emprego. Embora o mercado de ações já venha antecipando esse cenário de recessão global, a velocidade com que a economia real vem se deteriorando tem surpreendido muita gente, inclusive dirigentes de grandes empresas como a Vale. Balanços e demissões Por aqui, também há más notícias no âmbito corporativo nesse último dia da temporada oficial de balanço especialmente do lado das construtoras. A Cyrela, que divulgou queda no resultado trimestral hoje cedo, reduziu sua previsão de lançamentos e vendas em 2008, para se ajustar ao cenário atual adverso.  A companhia prevê agora lançamentos no atual exercício de R$ 5,250 bilhões a R$ 5,600 bilhões, ante estimativa anterior de R$ 7 bilhões. A meta de vendas foi cortada de R$ 5,5 bilhões para entre R$ 4,675 bilhões e R$ 4,950 bilhões. Às 14h20, Cyrela ON caía 3,74%. Gafisa ON era a segunda maior baixa do Ibovespa, com -5,25%.  Após o fechamento, a CSN divulga resultado do terceiro trimestre. A Abyara também anuncia resultado à noite, assim como Cesp, Sabesp, Tenda Banco Cruzeiro do Sul e Banco Panamericano.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsasBovespaEuropaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.