Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Bovespa sobe 1,05%; Dólar cai

A bolsa tomou fôlego de alta esta tarde e conseguiu zerar as perdas acumuladas neste mês. O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo fechou com valorização de 1,05%, aos 36.486 pontos. Com este resultado, o indicador apresenta alta de 0,70% em setembro. Beneficiado por uma entrada de recursos no Brasil e também pela melhora do humor externo, o dólar caiu nesta quinta-feira em relação ao real pelo terceiro dia consecutivo. O Ibovespa oscilou entre a mínima de -0,21% e a máxima de +1,06%. O volume negociado ficou em R$ 2,14 bilhões. Se os dias difíceis deste mês foram liderados por quedas em Petrobras e Vale do Rio Doce, agora, a recuperação das blue chips (empresas com ações de primeira linha) acentua os ganhos. A ação preferencial classe A da Vale obteve ganho de 1,24%. A ação preferencial da Petrobras subiu 1,25%. No mês, contudo, a ação da petrolífera ainda cai 5,58%. Também colaborou para a alta da Bovespa o bom humor externo. O PIB final revisado do segundo trimestre dos EUA, divulgado logo cedo, não foi visto como um dado conclusivo e, nesse sentido, teve pouco efeito nos negócios. O crescimento do PIB no segundo trimestre foi revisto para baixo, para 2,6%, inferior às previsões dos analistas, de 2,9%.Mesmo assim, os principais índices das Bolsas de Nova York encerraram com ganho. O índice Dow Jones conseguiu ultrapassar, pela manhã, seu nível recorde de fechamento, embora tenha encerrado o dia abaixo do recorde, com alta de 0,22%.DólarNo mercado interbancário, o dólar comercial encerrou em baixa de 0,69%, cotado a R$ 2,172, após oscilar entre a mínima de R$ 2,171 e a máxima de R$ 2,19. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar negociado à vista registrou desvalorização de 0,64%, fechando a R$ 2,174.O dólar abriu em pequena alta no mercado doméstico de câmbio, mas foi perdendo fôlego durante a manhã. Os operadores afirmam que a trajetória foi influenciada por uma entrada de recursos pelo segmento financeiro, de aproximadamente US$ 120 milhões. O impacto disso estaria também sendo maximizado pelo jogo dos investidores que se beneficiam por uma ptax (taxa média do câmbio) mais baixa, na definição que ocorrerá na sexta-feira e que influenciará os resultados dos contratos de câmbio. O cenário internacional também foi acompanhado de perto. Embora os especialistas ressaltem que teve influência menor nos negócios, apontam que ela também foi positiva e contribuiu para a queda da moeda norte-americana. Entre os pontos que sustentam o leve otimismo estão o fato de as commodities terem recuperado preço, o petróleo ter deixado para trás a marca dos US$ 70 por barril e os ganhos que estão sendo obtidos este mês, considerando-se que setembro, habitualmente, é uma época fraca para o mercado acionário dos EUA.Às 16h30, na Bolsa de Nova York, o índice Dow Jones subia 0,22%, a 11.713 pontos, apenas nove pontos abaixo de seu recorde de fechamento, estabelecido em 14 de janeiro de 2000.

Agencia Estado,

28 de setembro de 2006 | 17h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.