Bovespa sobe 1,84% e retoma 64 mil pontos ancorada em Vale

Puxado pelas fortes valorizações das ações da Vale e de siderúrgicas, o Ibovespa subiu 1,84%, aos 64.462,50 pontos- maior pontuação desde 28 de junho. Em Nova York, as bolsas só subiram no final. O Índice Dow Jones avançou 0,74% e o Nasdasq, 1,10%. A virada para o campo positivo nos EUA refletiu expectativas de que os comentários que o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, fará durante audiências no Congresso hoje e amanhã poderão reforçar apostas de que a taxa de juros nos EUA permanecerá em um nível baixo até 2011. Antes disso, o mercado acionário norte-americano caiu em meio à divulgação de resultados corporativos abaixo do esperado e ao dado de queda de 5% em junho no número de obras de imóveis residenciais iniciadas nos EUA. O Ibovespa deixou de lado essas influências negativas e decolou junto com as ações de empresas ligadas a commodities, diante do anúncio pelo Ministério do Comércio da China de que as importações do país vão aumentar e das apostas em que o governo chinês evitará a adoção de novas medidas de aperto monetário. Além disso, o anúncio pelo governo chinês de que planeja reduzir o número de siderúrgicas no país de um total de 800 para cerca de 200 cria uma condição favorável para as commodities. Isso porque a medida vai gerar redução da oferta e favorece a manutenção ou até elevação dos preços das matérias-primas e dos produtos siderúrgicos. A bolsa brasileira gostou também de estimativas de redução do ritmo de alta da Selic - que está em 10,25% - na reunião do Copom, que termina hoje. O juro para janeiro de 2011 caiu a 10,97%. O dólar recuou 0,73%, a R$ 1,7740.

Cenário: Rosangela Dolis, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2010 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.