Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bovespa sobe quase 4% com crença em juro menor nos EUA

A Bolsa de Valores de São Pauloseguiu nesta quarta-feira a forte recuperação observada nosprincipais mercados acionários do exterior e reduziu a quedaacumulada no mês, embora analistas ainda estejam cautelosos como cenário à frente. O Ibovespa, principal índice de ações da bolsa paulista,terminou a sessão em alta de 3,84 por cento, aos 61.714 pontos.Foi a maior alta percentual desde 18 de setembro, quando oFederal Reserve anunciou corte de 0,5 ponto percentual na taxade juro na maior economia do mundo. Desta vez não houve ação do Fed, mas comentários dovice-chairman do banco central norte-americano, Donald Kohn,foram suficientes para animar investidores: ele citou anecessidade de mais flexibilidade na política monetária. No final da segunda-feira, o pior momento em novembro parao mercado acionário brasileiro, o Ibovespa amargou quedaacumulada de mais de 9 por cento e cedeu abaixo dos 60 milpontos. Agora, a queda no mês é de 5,5 por cento. "Hoje lá fora aumentou a expectativa com o corte de juro doFed, por conta dos indicadores econômicos que chegam abaixo deestimativas. Se o corte se confirmar, pode ser que osinvestidores estrangeiros retomem aplicações em ações nospaíses emergentes", afirmou o diretor da Novação Distribuidora,Carlos Alberto Ribeiro. Apesar da euforia nesta quarta-feira, analistas consideramque o movimento foi um ajuste para as fortes baixas recorrentesem novembro. "Essa alta observada hoje aqui e lá fora vem do ajuste,porque os índices vem caindo como se estivéssemos ainda no augeda crise vinda dos EUA", afirmou o analista sênior do BBInvestimentos, Hamilton Moreira, referindo-se aos problemasoriginados no setor de hipotecas norte-americanas de altorisco. "Essa alta não tem muita consistência, temos observado umasaída de investidores estrangeiros, e a bolsa precisa do volumedeles para se manter estável em patamares mais elevados, e essemês a bolsa deve fechar em baixa aqui e lá fora, não é o casode ficarmos muito otimistas ainda", acrescentou. Em novembro até o dia 23, dado mais recente disponível, osaldo de investimento estrangeiro na bolsa paulista estánegativo em cerca de 5 bilhões de reais, diante do aumento daaversão ao risco desencadeada pela crise global de crédito etemores de recessão nos EUA. No Ibovespa, apenas cinco ações fecharam no vermelho nestaquarta-feira, entre elas a mais negociada do dia, apreferencial da Petrobras, que perdeu 0,15 por cento, a 73,89reais. Os papéis da estatal foram pressionados pela queda nopreço do petróleo em Nova York, que caiu quase 4 dólares obarril com o mercado reagindo à queda menor do que a esperadanos estoques da commodity nos EUA. (Reportagem de Rodolfo Barbosa)

REUTERS

28 de novembro de 2007 | 19h12

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHAFINAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.