Bovespa vira na reta final, acompanha EUA e cai 0,44%

Investidores resolveram esperar o payroll, que será divulgado na sexta, com um pouco de lucros nos bolsos

Claudia Violante, da Agência Estado,

03 de dezembro de 2009 | 18h32

Depois de uma sessão predominantemente em alta, a Bovespa perdeu o ritmo no finalzinho e acabou recuando nesta quinta-feira, 3. Os investidores resolveram acompanhar o recuo das Bolsas norte-americanas e interromperam dois dias seguidos de ganhos, quando o índice havia renovado a pontuação recorde de 2009. Com ganhos superiores a 80% no ano, resolveram esperar o payroll, na sexta-feira, 4, com um pouco dos lucros nos bolsos.    

 

Veja também:

link Bernanke não descarta subir juro para evitar bolhas nos EUA

 

O Ibovespa terminou em queda de 0,44%, aos 68.314,82 pontos. Na mínima do dia, registrou 68.308 pontos (-0,45%) e, na máxima, 69.336 pontos (+1,05%). No mês, sobe 1,90% e, no ano, 81,93%, O giro financeiro totalizou R$ 6,568 bilhões. Os dados são preliminares.

 

Logo na abertura, a Bovespa testou novamente os 69 mil pontos, amparada pelo anúncio do Bank of America de que fechou um acordo para devolver US$ 45 bilhões em ajuda federal - os recursos foram tomados durante a crise -, para escapar de restrições impostas pela administração norte-americana, entre elas a referente às remunerações de seus funcionários.

 

Contribuiu ainda a queda inesperada no número de pedidos de auxílio-desemprego na semana passada. O número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu 5 mil, para 457 mil, o menor nível desde a semana de 6 de setembro de 2008 e a segunda semana consecutiva de novembro em que os pedidos ficaram abaixo da marca de 500 mil. Os economistas esperavam aumento de 19 mil pedidos.

 

Esses dados, no entanto, foram rapidamente ofuscados por outros não tão bons. O índice sobre a atividade do setor de serviços do Instituto para Gestão de Oferta (ISM) caiu a 48,7 em novembro, de 50,6 em outubro, contrariando a previsão dos economistas de aumento para 51,5. Já a produtividade da mão de obra do terceiro trimestre nos EUA foi revisada em baixa, para aumento de 8,1%, de estimativa anterior de alta de 9,5%, ante expectativa de revisão para 8,5%. Por fim, as vendas do setor varejista norte-americano em novembro aumentaram 0,5%, resultado melhor do que a queda de 7,8% registrada no mesmo mês do ano passado, mas abaixo da projeção dos analistas, que era de crescimento de 2,1%.

 

O desconforto inicial que levou as bolsas para o negativo, entretanto, acabou sendo apagado e a Bovespa conseguiu passar boa parte do dia em alta. Nos Estados Unidos, os índices oscilaram ao redor da estabilidade, predominantemente em baixa. Depois algum sobe-e-desce, o Dow Jones operava, às 18h22, em queda de 0,07%, o S&P, de 0,08%, e o Nasdaq subia 0,31%.

 

Cabe ainda registrar a presença de Ben Bernanke no Senado norte-americano na audiência de confirmação dele para mais um mandato à frente do banco central. Em seu discurso, entre tantas coisas citadas, Bernanke disse que a taxa de desemprego deve cair em 2010.

 

Na Europa, as bolsas de Londres e Frankfurt fecharam em leve baixa, enquanto as demais devolveram os ganhos, mas ainda sustentaram alguma alta. Em Londres, o índice FT-100 caiu 0,27%, para 5.313,00 pontos; em Paris, o índice CAC-40 subiu 0,08%, aos 3.799,11 pontos; em Frankfurt, o índice Dax-30 caiu 0,20%, a 5.770,35 pontos.

 

O destaque na Europa nesta quinta foi o encontro de política monetária do Banco Central Europeu - que manteve a taxa básica de juros em 1% - e a entrevista do presidente da instituição, Jean-Claude Trichet, que informou que a autoridade monetária continuará dando ampla liquidez ao setor bancário dos 16 países que compartilham o euro, mas indicou que as operações de refinanciamento de longo prazo serão encerradas em março e não serão mais oferecidas à taxa de 1,0%.

 

Nesta quinta-feira, 3, as blue chips acompanharam a queda das commodities e recuaram. Na Nymex, o contrato do petróleo para janeiro recuou 0,18%, a US$ 76,46 o barril. Petrobrás ON caiu 1,30% e PN, 0,28%.

 

Vale ON perdeu 1,11% e PNA, 0,49%. O BTG Pactual elevou o preço-alvo para os papéis preferenciais da mineradora de R$ 43,00 para R$ 50,00 e de R$ 48,00 para R$ 55,00 para Vale ON.

 

As maiores altas do Ibovespa foram Celesc PNB (+9,06%), Eletrobrás PNB (+3,51%) e CPFL ON (+2,95%). As maiores quedas foram Redecard ON (-3,87%), Klabin PN (-2,99%) e NET PN (-2,46%).

Tudo o que sabemos sobre:
BolsaBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.