Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Bowie pioneiro

O legado de David Bowie vai além da música. No final da década de 1990, ele chegou a ter um provedor de internet, chamado BowieNet. O serviço de acesso discado foi lançado em setembro de 1998 nos Estados Unidos. Por US$ 20 mensais, além da internet, os assinantes tinham acesso a conteúdos exclusivos do artista.

Renato Cruz, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2016 | 02h55

“Quero criar um ambiente onde não somente meus fãs, mas todos os fãs de música poderão formar uma comunidade única, onde vastos arquivos de música e informação poderão ser acessados, opiniões declaradas e ideias trocadas”, disse Bowie, num comunicado de imprensa para o lançamento da BowieNet no Reino Unido, três meses depois dos EUA.

A ideia de formar uma comunidade de interessados em música foi proposta por David Bowie no ano anterior ao surgimento do Napster, serviço de trocas de arquivos que acabou colocando em crise a indústria fonográfica. Apesar de eficiente como tecnologia, o Napster não tinha um modelo de negócios que conseguisse remunerar artistas, e acabou tendo problemas na Justiça por causa disso. Na BowieNet, a remuneração vinha da mensalidade do acesso.

O provedor de David Bowie foi lançado três anos antes do iTunes, serviço da Apple que se tornou a primeira experiência de sucesso na venda de músicas via internet, e oito anos antes do Spotify, que consolidou o modelo de assinaturas no consumo de canções digitais. O YouTube só foi lançado em 2005.

A BowieNet foi considerado pelo Livro Guinness dos Recordes o primeiro provedor de acesso criado por um artista. Além de acesso e conteúdo exclusivo do David Bowie, o cliente tinha direito a um endereço de correio eletrônico @davidbowie.com, 5 megabytes de armazenamento para criar uma página pessoal, salas de bate-papo (incluindo conversas com o próprio Bowie), jogos e notícias sobre finanças, negócios e esportes. Quem não quisesse o acesso, mas somente o conteúdo, poderia pagar US$ 6.

A BowieNet durou até 2006, depois de a maior parte do mercado ter feito a transição de linha discada para banda larga. Oficialmente, Bowie anunciou o fim do serviço somente em 2012, em sua página do Facebook.

Enquanto outros artistas culparam a internet por ter acabado com a indústria da música, Bowie abraçou a tecnologia. Ele chegou a abrir um concurso para que fãs mandassem via rede letra para uma música nova, em que recebeu 80 mil contribuições.

Bowie deixou de fazer shows em 2004, depois de sofrer um ataque cardíaco durante uma turnê. Muita gente achava que ele estava aposentado, até que lançou Next Day, em 2013, e Blackstar, neste ano, dois dias antes de morrer.

Apesar de afastado dos palcos, soube como ninguém manter o contato com os fãs via rede, enquanto divulgava seus últimos trabalhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.