BP demite diretor de exploração e promete aumentar segurança

O novo diretor-executivo da BP, Bob Dudley, demitiu o diretor de produção e exploração do grupo petrolífero, Andy Inglis, na esteira do vazamento no Golfo do México e prometeu reestruturar a empresa a fim de aumentar a segurança.

TOM BERGIN, REUTERS

29 de setembro de 2010 | 15h05

Igualando uma medida tomada pela BP depois da explosão de Texas City, em 2005, Dudley também afirmou nesta quarta-feira que estava indicando um novo encarregado da segurança, Mark Bly, para garantir a aplicação de práticas seguras por toda a organização.

As ações da BP terminaram o dia em alta de 3,9 por cento, cotadas a 421 pence, contra uma queda de 0,2 por cento no índice de Petróleo e Gás STOXX Europe 600.

Andy Inglis, o diretor de Exploração e Produção, tornou-se o segundo alto executivo da BP a cair depois que Dudley substituiu Tony Hayward, que enfureceu a opinião pública norte-americana durante a crise por causa de suas gafes.

O poço que explodiu estava sob responsabilidade da unidade de Inglis e pessoas familiarizadas com a BP previam há meses a demissão dele.

Ele deixará a empresa no fim do ano com um salário anual de 690 mil libras (1,1 milhão de dólares) em lugar do aviso prévio e reterá sua pensão avaliada em 6 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIABPTROCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.