Robson Fernandjes/Estadão - 26/6/2014
Robson Fernandjes/Estadão - 26/6/2014

BR Pharma pede desconto de até 95% na dívida

Rede de farmácias, criada pelo BTG Pactual em 2009, está em recuperação judicial e quer pagar apenas uma pequena parte de seu débito de R$ 1,2 bi

Renata Agostini, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2018 | 05h00

Em busca de uma saída para sua difícil situação financeira, a rede de farmácias BR Pharma apresentou na noite de segunda sua proposta de reestruturação. O plano é ficar apenas com a rede de franquias Farmais, que hoje tem 443 unidades em nove Estados. E, para pagar credores, a empresa quer vender os pontos comerciais e as poucas farmácias próprias que sobraram das redes Big Ben e Santana, encerrando a operação própria da companhia.

A empresa está nas mãos da Lyon Capital – de Paulo Remy, ex-presidente da W/Torre – desde abril de 2017, quando os sócios do BTG Pactual decidiram sair de vez do negócio após dificuldades em fazer a BR Pharma decolar mesmo em meio ao crescimento vigoroso de redes como Raia Drogasil.

++Com dívidas de R$ 1,2 bilhão, BR Pharma pede recuperação judicial

A Lyon, que adquiriu a BR Pharma pelo valor simbólico de R$ 1 mil e ainda tomou empréstimo de R$ 883 milhões do BTG, não conseguiu reestruturar o negócio. Enfrentando ações de despejo em farmácias da rede, entrou em recuperação judicial em janeiro. Depois disso, os sócios do BTG chegaram a aportar R$ 48 milhões na tentativa de dar fôlego à companhia, que segue com problemas. 

Agora, o plano de recuperação propõe quitar apenas uma parte pequena do R$ 1,2 bilhão que a BR Pharma deve. A empresa pede desconto de 75% a 95% na dívida. Alternativamente, aos credores sem garantia, oferece pagamento em 30 anos. A Lyon também se movimenta na Justiça para tentar devolver a BR Pharma aos sócios do BTG.

++Brasil Pharma cai 7 posições em ranking do varejo

De longe, os principais credores são os sócios do BTG Pactual, que criaram a empresa em 2009 e hoje cobram mais de R$ 900 milhões da rede de farmácias por meio da empresa de participações batizada de PPLA. Qualquer solução para a BR Pharma passará, portanto, por um acordo ou disputa entre a Lyon Capital e o banco.

Os sócios do BTG não têm intenção de voltar à empresa e já refutaram na Justiça os argumentos da Lyon – o pleito de devolução do ativo está pendente de decisão. A avaliação, por ora, é que os debates serão em torno do desconto da dívida, segundo fontes próximas ao banco. Já a Lyon deseja melhorar sua posição na negociação com seu principal credor, diz um interlocutor próximo às conversas.

++Hopi Hari tenta recuperação judicial, mas exclui BNDES

Histórico conturbado. A BR Pharma foi formada pelos sócios do BTG em 2009 e chegou ao posto de maior rede de farmácias do País após fazer uma série de aquisições. A hoje quase abandonada Big Ben, do Pará, foi adquirida por mais de R$ 450 milhões em 2011.

Em 2012, começaram a aparecer problemas. Após prejuízos, os sócios do BTG iniciam o desmonte da companhia em 2015, com a venda da Mais Econômica e da Rosário. Os problemas crescendo e culminaram no repasse do negócio por R$ 1 mil e na recuperação judicial.

++Oi paga R$ 51 milhões em etapa do plano de recuperação judicial

Na prática, Santana e Big Ben quase não existem mais após a BR Pharma fechar, na semana passada, 63 farmácias das duas redes. As marcas, porém, ainda têm valor, na avaliação da BR Pharma, e estarão na lista de ativos em busca de interessados.

Procurados, BR Pharma e Lyon Capital não retornaram. A PPLA não quis comentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.