BR Properties pode fechar o capital

BTG Pactual e Brookfield planejam uma oferta para comprar o controle da companhia de gestão de imóveis comerciais

O Estado de S.Paulo

27 Fevereiro 2015 | 02h34

A empresa de gestão de ativos imobiliários BR Properties pode ser a próxima a deixar a Bolsa brasileira. Ontem, o BTG Pactual e a Brookfield Property Group anunciaram que pretendem fazer uma oferta pública voluntária de aquisição (OPA) para assumir o controle da companhia, por considerarem que seu valor de mercado não é compatível com seus ativos. O banco e a multinacional canadense farão essa operação por meio de um fundo, batizado de Bridge.

A proposta é de aquisição da totalidade das ações da BR Properties ou de no mínimo 85% da companhia. O preço por ação na OPA é de R$ 12, ou R$ 8,98 com ajuste por dividendos. O objetivo é reorganizar os ativos entre os investidores, com compra e venda dos ativos imobiliários, avaliados em R$ 4,45 bilhões. Segundo o Bridge, o valor antes dos dividendos representa um prêmio de 35% sobre a cotação média dos papéis da BR Properties nos últimos 30 pregões.

"Não há comunicação perfeita entre os investidores estrangeiros desestimulados pela desvalorização dos ativos que têm interesse em comprar propriedades, e não ações, e os de ações, que não têm interesse em comprar propriedades", explicou André Esteves, presidente do BTG Pactual, para justificar a operação. Por isso, segundo ele, a OPA atende os dois públicos: o investidor de ações receberá um prêmio e o de propriedade não terá de passar por estrutura acionária. "Tivemos oferta parecida de fechamento de capital e acho que é mais uma operação nessa linha", afirmou o executivo. No início da semana, a British American Tobacco (BAT) divulgou que avalia comprar todas as ações que não possui de sua controlada brasileira Souza Cruz, podendo desembolsar R$ 10 bilhões.

A BR Properties é considerada uma das principais empresas de investimento em imóveis comerciais no Brasil. Considerando o valor de R$ 12 por ação, a oferta atribui um valor a toda a companhia de quase R$ 3,6 bilhões. Os principais acionistas da BR Properties são o Banco BTG Pactual, com 28,74% do capital, e o fundo de pensão Petros, com 10,48%, segundo informações no site da BR Properties. Outros dois sócios têm participação acima de 5%: a WTorre e a Southeastern Asset Management.

As ações em circulação no mercado correspondem a 50,15% do capital. Ontem, os papéis da empresa subiram 9,54%, a R$ 11,71.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.