finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

BRA age para evitar falência

Empresa decide entrar com pedido de recuperação judicial para tentar atrair um novo investidor

Mariana Barbosa, O Estadao de S.Paulo

10 de novembro de 2007 | 00h00

A BRA decidiu entrar com pedido de recuperação judicial. A empresa contratou o escritório de advocacia Felsberg e Associados, responsável pela recuperação judicial da Parmalat, para representá-la na ação. Com dívidas de US$ 100 milhões, principalmente com bancos e empresas de leasing, a BRA quer a proteção da lei para atrair um novo investidor. A empresa precisa de R$ 30 milhões para voltar a operar.A BRA corre o risco de ter a falência pedida por algum credor, por isso corre contra o tempo para acertar a papelada e entrar o mais rápido possível com o pedido de recuperação judicial. A expectativa é que isso aconteça no início da próxima semana, possivelmente na segunda-feira. Uma eventual decretação de falência, no caso de companhia aérea, implica a perda da concessão, seu principal ativo. Uma vez aceito o pedido de recuperação judicial, a empresa tem mais chance de atrair investidores. Isso porque, qualquer aporte ou empréstimo feito durante o período de recuperação - o chamado crédito extraconcursal - tem prioridade na hora do pagamento. Segundo uma fonte próxima à BRA, a empresa aposta em um novo investidor, uma vez que chegou ao limite o apetite do Brazil AirPartners, fundo formado por um grupo de investidores que em dezembro do ano passado adquiriu 20% da companhia. A Brazil AirPartners, que investiu R$ 180 milhões para se associar à BRA, condicionou fazer novos aportes à saída de Humberto Folegatti. Ele abriu mão recentemente da presidência-executiva, mas não da presidência do conselho de administração. Com a recuperação judicial, são os credores que definem os rumos da empresa, e não se descarta a saída dos irmãos Folegatti do negócio. "Não se faz uma omelete sem quebrar o ovo", afirma a fonte. A maior parte da dívida de US$ 100 milhões da BRA está nas mãos de um pequeno grupo de bancos, brasileiros e estrangeiros, além de duas ou três empresas de leasing. Boa parte da dívida com bancos está lastreada em recebíveis de cartão de crédito. A empresa tem dívida pequena com trabalhadores, no valor de R$ 7 milhões. A dívida com fornecedores de combustível soma cerca de R$ 15 milhões, sendo R$ 1 milhão com a BR Distribuidora e o restante com a Shell. Mas a BRA não terá a mesma sorte que a Varig, que conseguiu, com a lei de recuperação, impedir o arresto de aviões por parte das empresas de leasing. De lá para cá, a lei foi modificada e, agora, os aviões podem ser arrestados a qualquer momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.