Bradesco amplia prazo e reduz juro de empréstimo imobiliário

Prazo para operações feitas dentro do SFH sobe para 30 anos; Banco do Brasil também vai anunciar medidas

Agência Estado,

25 de maio de 2009 | 12h04

O Bradesco anunciou nesta segunda-feira, 25, a elevação do prazo máximo de financiamento imobiliário de 25 anos para 30 anos para as operações feitas dentro do Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Além disso, a instituição reduziu a taxa de juros de 10% para 8,9% ao ano mais a TR para os contratos pós-fixados e imóveis novos ou usados com valor de avaliação de até R$ 120 mil.

 

Segundo o Bradesco, essa taxa é a menor do mercado para imóveis nessa faixa de renda e financiados com recursos da poupança. Ela equivale a 0,8% ao mês mais a variação da TR. Outras linhas pós-fixadas para o financiamento imobiliário também tiveram a taxa reduzida. Para imóveis residenciais de R$ 120 mil a R$ 500 mil, a taxa caiu de 11% para 10,9% ao ano, mais a variação da TR. Nesse caso, o financiamento pode chegar a até 80% do valor de venda ou avaliação do imóvel e o cliente pode comprometer até 30% de sua renda líquida. No caso de imóveis comerciais para pessoas físicas, a taxa passou de 16% para 14% ao ano mais a TR.

 

No primeiro trimestre do ano o Bradesco destinou R$ 654,6 milhões para o financiamento imobiliário, o que representou 5.307 imóveis. Essa carteira de crédito era de R$ 5,519 bilhões ao final de março, crescimento de 46,7% em 12 meses e 1,7% ante o estoque de dezembro.

 

O banco espera conceder neste ano R$ 5,5 bilhões em operações de crédito imobiliário. A projeção é pouco superior aos R$ 5 bilhões da expectativa anunciada no início do ano. "O lançamento do 'Minha Casa, Minha Vida' é uma sinalização clara de que o governo quer promover o crescimento desse mercado", afirmou o vice-presidente da instituição, Norberto Pinto Barbedo, em entrevista à Agência Estado.

 

Mesmo que a instituição financeira conceda neste ano os R$ 5,5 bilhões, esse valor ficará abaixo dos R$ 6,2 bilhões realizados no ano passado. No entanto, Barbedo acredita que o número de unidades financiadas será maior porque a tendência é de aumento da participação dos financiamentos de imóveis de até R$ 120 mil, faixa que está dentro do limite do programa federal Minha Casa, Minha Vida. Em 2008, o Bradesco financiou aproximadamente 50 mil unidades habitacionais e nesse ano devem ser financiadas 55 mil moradias.

 

Barbedo afirmou que as concessões de crédito devem melhorar no terceiro trimestre do ano e o último trimestre do ano será "excelente" para essas operações. "Temos sinalizações da economia que são positivas. As empresas voltaram a contratar e a fazer encomendas", disse.

 

O Banco do Brasil também anunciou que vai divulgar na tarde desta segunda medidas para oferta de crédito de R$ 13 bilhões para a pessoa física. A entrevista coletiva, com a presença do vice-presidente de Crédito, Controladoria e Risco Global, Ricardo José Flores, está marcada para as 14h30.

 

Texto atualizado às 14h03

Tudo o que sabemos sobre:
bancoscréditoBradescoBanco do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.