Bradesco anuncia compra do BMC por meio de ações

O Bradesco anunciou nesta quarta-feira a compra do BMC, com pagamento a ser feito via ações. Pelo negócio, os acionistas do BMC receberão papéis do Bradesco correspondentes a aproximadamente 0,94% do seu capital social, que será aumentado em R$ 800 milhões.Com isso, a carteira de crédito consignado do Bradesco deverá atingir um total de aproximadamente R$ 4 bilhões, segundo projeções do presidente do banco, Márcio Cypriano, em teleconferência com jornalistas. Desse total, R$ 2,3 bilhões correspondem a operações já existentes nos dois bancos (R$ 1 bilhão do BMC), enquanto o valor restante se refere a aquisições de crédito de outras instituições que já constam no balanço do Bradesco.Cypriano afirmou que a operação contribuirá para que o banco reforce a atuação em crédito consignado. Segundo o executivo, trata-se de uma área difícil e cujos resultados demoram para aparecer. "Queimamos etapas", resumiu.A concretização da operação está subordinada à aprovação das autoridades competentes e dos resultados da "due diligence", com previsão para ser concluída durante o primeiro semestre de 2007.As ações a serem emitidas e atribuídas aos acionistas do BMC serão aprovadas em assembléia geral extraordinária do Bradesco quando ocorrer o fechamento da operação, oportunidade em que o BMC será convertido em subsidiária integral do Bradesco.Por atuar em um segmento diferenciado, o Bradesco manterá a marca e boa parte da estrutura do BMC, mas trará as operações de backoffice para dentro do banco, segundo Cypriano. O empréstimo realizado pelo banco a aposentados do INSS possui valor médio de R$ 1.500, sendo que 90% desses clientes se valem do prazo de 36 meses para o pagamento, segundo a vice-presidente do BMC, Andrea Pinheiro, que permanecerá à frente dos negócios. "O acordo nos dará a oportunidade de ter mais funding disponível e novas oportunidades de convênios", afirmou.Cypriano disse que o Bradesco segue atento a novas oportunidades de mercado, mas evitou responder se a compra de bancos de menor porte se trata de uma tendência do setor. "É preciso analisar cada movimento isoladamente", justificou.Ao ser questionado se a estratégia de aquisições visa a recuperação da liderança entre os bancos privados, perdida para o Itaú no ranking elaborado pelo Banco Central, o executivo foi taxativo: "Já somos o maior banco privado do País".O banco BMC, fundado em 1939 em Fortaleza, possui atualmente agências em São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Fortaleza, Recife, Salvador, além das cidades de Campinas e São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, e Joinville, no norte de Santa Catarina.Com Vinícius PinheiroMatéria ampliada às 16h45 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.