BAC Florida Bank
BAC Florida Bank

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Bradesco conclui aquisição de banco na Flórida de olho em cliente da alta renda

Banco brasileiro colocou oficialmente os pés nos EUA e quer unificar as operações com o BAC Florida Bank em 90 dias; valor da compra foi de R$ 2,9 bilhões, considerando o câmbio atual

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2020 | 21h07

O Bradesco acaba, oficialmente, de colocar os pés nos Estados Unidos, marcando um passo em sua expansão internacional com a conclusão nesta sexta-feira, 30, da compra do BAC Florida Bank. O desembolso foi de US$ 500 milhões - ou cerca de R$ 2,9 bilhões com a taxa de câmbio atual. O movimento permitirá ao banco completar as peças que faltavam no tabuleiro para, de uma única vez, ampliar o portfólio de opções de investimentos para seus clientes, que cada vez mais procuram opções de investimento fora do País.

Além disso, o banco irá expandir seu leque de produtos, ao passar a oferecer serviços bancários nos EUA, como conta corrente, cartão de crédito e financiamento bancário, algo que pode fazer a diferença em um ambiente cada vez mais competitivo. Por trás, o Bradesco conseguirá fechar uma lacuna ao incorporar o banco norte-americano e preparar terreno para crescer no segmento mais cobiçado - e disputado - no mercado, o de alta renda.

Ao comprar um banco com 10 mil clientes - 20% dos quais brasileiros -, US$ 2,3 bilhões em ativos sob gestão e um patrimônio de US$ 250 milhões, o Bradesco já trabalhou em todo o planejamento para oferecer aos clientes a nova gama de produtos e serviços que hoje estão dentro do BAC. O vice-presidente executivo do Bradesco, responsável pelo banco de atacado, Marcelo Noronha, afirma que o caminho do banco brasileiro até o BAC já está pavimentado e que agora o trabalho será fazer o trajeto oposto, para plugar o BAC ao Bradesco. Em 90 dias, segundo o executivo, os clientes do private e wealth do Bradesco terão acesso aos produtos do banco na Flórida.

"Nossos clientes poderão ter conta corrente lá fora, cartão de crédito, algo que até aqui o BAC não emitia. Nossos clientes poderão ser atendidos de lá pelo telefone ou via chat, 24 por 7, em inglês, espanhol e português. Além disso poderão ter acesso a crédito imobiliário nos Estados Unidos e pelo aplicativo fazer transferência online de moeda", conta Noronha, em entrevista ao Estadão/Broadcast.

O Bradesco decidiu manter a equipe que está no BAC, hoje formada por cerca de 170 pessoas. Alguns executivos do banco serão transferidos para reforçar o time. Henrique Lima, que já comandou o braço de investimento do banco, será o co-presidente do BAC, ao lado de Julio Rojas, que já comanda o banco norte-americano.

Novas oportunidades

Tornando a área private sob o seu guarda-chuva mais atrativa, o Bradesco ganha força para capitalizar mais clientes, principalmente após o acordo recém firmado com o JP Morgan, que está deixando o private banking no Brasil, o qual inclui a transferência de clientes, que ocorrerá pela indicação do banco norte-americano. No segmento private, o Bradesco possui R$ 300 bilhões sob gestão, conforme os últimos dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), correspondente a 21% de market share.

Apesar de ter sido esse olhar que levou o Bradesco até o BAC, o banco já está atento a outras oportunidades com a aquisição. Noronha comenta que após finalizada essa primeira fase de integração, que tem o foco no cliente private e wealth, os mais endinheirados dentro da instituição financeira, o plano inclui o reforço em duas outras áreas que já existem no BAC, a corporate, que ajudará a criar uma ponte para as empresas não só do Brasil mas de toda a América Latina, e uma plataforma digital, essa voltada exclusivamente investidores americanos - algo que o Bradesco quer dar musculatura.

O BAC tem 45 anos e um foco grande em crédito imobiliário. O Bradesco anunciou a aquisição no ano passado, mas apenas no começo deste mês recebeu o último aval regulatório, o do Federal Reserve, (Fed, o banco central dos EUA).

A aquisição, informou hoje o banco, afetará o seu índice de Basileia em 0,2 ponto percentual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.