Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Bradesco demitiu mais de 4,5 mil funcionários em um ano

Banco fechou 17 agências e encerrou o primeiro trimestre do ano com cerca de 95 mil colaboradores

Aline Bronzati, O Estado de S. Paulo

29 de abril de 2015 | 08h00

O Bradesco, maior banco privado em ativos do País, cortou 4.569 colaboradores em um ano. No balanço do primeiro trimestre de 2015, divulgado nesta quarta-feira, 29, a instituição informou que encerrou o mês de março com um total de 94.976 colaboradores. Em relação a dezembro do ano passado, houve corte de 544 pessoas. "A redução em dezembro de 2014, inclui a transferência de 2.431 funcionários da Scopus Tecnologia para a IBM Brasil", destaca o documento. No ano passado, o Bradesco vendeu a Scopus, subsidiária de serviços de TI, para a empresa americana. 

O lucro líquido da instituição somou R$ 4,2 bi nos três primeiros meses do ano, um aumento de 6,3% em relação ao trimestre anterior, e de 23,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

As despesas operacionais do Bradesco, que consideram os gastos com pessoal e também os administrativos, foram a R$ 7,084 bilhões no primeiro trimestre de 2015, cifra 4,7% maior que a registrada em um ano, de R$ 6,765 bilhões. No comparativo com os três meses imediatamente anteriores, houve redução de 9,6%.

De janeiro a março, as despesas de pessoal do Bradesco totalizaram R$ 3,445 bilhões, aumento de 5,1% em um ano e queda de 6,3% ante o quarto trimestre de 2014. Segundo o banco, tal elevação é decorrente, principalmente, da variação na parcela "estrutural" por conta de maiores gastos com proventos, encargos sociais e benefícios, impactadas pelo aumento dos níveis salariais, conforme convenção coletiva de 2014 (reajuste de 8,5%).

O Bradesco informou ainda que seus gastos administrativos totalizaram R$ 3,639 bilhões, elevação de 4,4% ante 12 meses. No comparativo trimestral, houve retração de 12,5%. "o aumento no ano deveu-se, basicamente, ao crescimento do volume de negócios e serviços, reajustes contratuais e ampliação de 1.597 pontos de atendimento no período", destaca a instituição, em relatório. "Cabe destacar o comportamento do índice de inflação (IPCA) nos últimos 12 meses, que atingiu 8,1%", acrescenta.

O banco encerrou março com 74.917 pontos de atendimento. Em relação a dezembro, a instituição fechou 259 unidades por conta da redução no número de postos de atendimentos (PAs), posto de atendimento eletrônico em empresas (PAEs), caixas eletrônicos externos e ainda da rede Banco24Horas.

No primeiro trimestre, o Bradesco abriu duas novas agências e alcançou um total de 4.661 pontos. Em um ano, porém, fechou 17. Este ano, a instituição vai desembolsar R$ 1 bilhão para reformular a rede atual e abrir mais 185 agências, passo que não dá desde que inaugurou mil unidades em um semestre para compensar a perda do Postal para o Banco do Brasil.

Mais conteúdo sobre:
BancosBradesco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.