Bradesco e Casas Bahia anunciam parceria estratégica

O Bradesco anunciou hoje uma parceria estratégica com a Casas Bahia para o financiamento dos clientes da rede, que é a maior distribuidora de bens de consumo do País. O acordo será de exclusividade e terá validade por três anos, podendo ser renovado. O presidente do Bradesco, Márcio Cypriano, disse que não haverá nenhuma espécie de desembolso de recursos para a Casas Bahia em decorrência da parceria. "A vantagem para a Casas Bahia é que ela poderá usar o dinheiro antes destinado ao crédito para investimentos e expansão das lojas", afirmou o diretor executivo administrativo da empresa, Michael Klein. O acordo firmado prevê que a rede de lojas manterá uma concessão própria de crédito. Quando o cliente fizer uma compra financiada em uma das loja da rede, seu contrato de crédito será avaliado pelo sistema do Bradesco. Se não for aprovado o contrato, o financiamento será feito diretamente pela Casas Bahia. Atualmente a rede possui uma carteira de crédito de R$ 4,5 bilhões que continuará sendo administrada pela empresa, não entrando essa carteira no acordo feito com o Bradesco. O Bradesco espera atingir uma carteira de crédito de R$ 3 bilhões ao final de um ano de parceria com a Casas Bahia. Esse montante irá se juntar ao atual volume de crédito direto ao consumidor (CDC) do banco, que é de R$ 15,5 bilhões, com crescimento de 40% nos últimos 12 meses. O presidente da instituição financeira disse que o Bradesco irá atuar na Casas Bahia com a bandeira Finasa. O contrato firmado com a rede de lojas prevê que o banco financiará, no mínimo, R$ 100 milhões por mês em vendas da empresa. Atualmente, 80% das vendas da Casas Bahia são realizadas por crediário, o que corresponde a um volume de R$ 530 milhões mensais. Risco Márcio Cypriano disse que o risco de todo o crédito concedido aos clientes da Casas Bahia será assumido pela rede de lojas, apesar de os empréstimos ficarem contabilizados nos resultados da instituição financeira. Isso porque a Casas Bahia continuará como responsável pela definição da política de juros a ser imposta aos consumidores. A rede de lojas manterá o atual modelo de crediário, por meio do qual o consumidor vai pessoalmente à loja para efetuar o pagamento da prestação dos produtos comprados. A empresa tem hoje 26 milhões de clientes e 400 lojas. São 30 mil funcionários e três centros de distribuição, sendo que mais dois estão em construção. A prestação média dos consumidores da rede é de R$ 55 ao mês. A inadimplência da carteira de crédito própria da empresa é de 8% a 8,5%. Popular A parceria da Casas Bahia com o Bradesco não deve prejudicar o acordo que a empresa já tem com o Banco Popular do Brasil (BPB). Segundo Klein, o contrato com o BPB, que é uma subsidiária do Banco do Brasil para o segmento de microcrédito, é bem diferente do fechado com o Bradesco. "O Banco Popular atua como correspondente bancário, abrindo contas correntes e recebendo pagamentos de faturas dos clientes", explicou Klein, destacando que essa instituição está presente em apenas dez lojas da Casas Bahia e que não atua no financiamento ao consumo. O contrato com o BPB será mantido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.