Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Bradesco escolhe Octavio de Lazari para substituir Trabuco no comando do banco

Há 40 anos na empresa, executivo será o 5.º presidente da história da instituição e terá entre seus desafios melhorar a rentabilidade, afetada por crise e pela aquisição do HSBC

Aline Bronzati e Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2018 | 05h00

O Bradesco anunciou ontem o nome do executivo Octavio de Lazari Junior como novo presidente do banco, o quinto da história da instituição, fundada há 75 anos, no lugar de Luiz Carlos Trabuco Cappi. Trabuco ficará à frente do conselho de administração do banco, a segunda maior instituição privada do País, atrás do Itaú Unibanco.

“O nome do Octavio foi crescendo primeiro pelo currículo. Ele passou por muitas áreas, foi gerente de agências. Não foi só (sua passagem por) seguros, foi também isso. Mas principalmente pelo fato de ele ser um homem da rede da agência, do varejo bancário, da alta renda, dos empréstimos. O fato de ser um ‘banqueiro do varejo’ pesou. Lazari é um bancário que se transformou em um banqueiro”, disse Trabuco, que foi responsável pela área de seguros antes de assumir a presidência do banco.

Nas próximas semanas, Lazari terá a tarefa de fazer a reorganização da composição do conselho, que será definida em assembleia geral ordinária (AGO), no dia 12 de março. O novo presidente do Bradesco também deverá indicar o futuro presidente da Bradesco Seguros, que responde por cerca de 30% do lucro do banco. A escolha deverá ocorrer até o fim de março. Até lá, Lazari vai acumular as duas funções.

Desafios. Os desafios do novo presidente serão aumentar a escala e a eficiência do banco por meio de inovação e digitalização, disse Trabuco. Lazari também será encarregado de melhorar a rentabilidade após a aquisição do HSBC, que foi a maior na história da corporação.

++ Bradesco reposta lucro de R$ 19 bi em 2017 e prevê alta do crédito em 2018

Para Lazari, o Bradesco tem muitos desafios em tecnologia e na prestação de atendimento adequado para diferentes faixas etárias. O banco, segundo o executivo, foi sábio ao criar o Next, com foco nos clientes mais jovens, e também por investir na ampliação do atendimento digital aos demais correntistas. “Ter uma rede de cerca de 5 mil agências é uma vantagem competitiva”, disse Lazari.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.