finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bradesco estuda novas reduções de juros

Banco espera demanda adicional por empréstimos a partir desta terça, 23, quando começam a valer as taxas mais baixas de juros no crédito

Sílvia Araújo e Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado, Agencia Estado

23 de abril de 2012 | 12h49

O Bradesco dá sinais de que a guerra travada com os bancos públicos e privados pela redução dos juros cobrados dos clientes deve continuar. O diretor executivo do banco, Luiz Carlos Angelotti, disse nesta segunda-feira, 23, em teleconferência, que o Bradesco está avaliando eventuais novas medidas para corte de juros.

"Adotamos algumas medidas iniciais, que foram feitas em linha com a tendência atual. Vamos continuar avaliando novas medidas", disse. A queda dos juros em algumas linhas de crédito, anunciada na semana passada, devem ser compensadas pelo volume adicional de operações de empréstimos, segundo Angelotti. No final, o efeito deve ser neutro no balanço do banco.

Segundo ele, o Bradesco espera demanda adicional por empréstimos a partir desta terça, quando começam a valer as taxas mais baixas de juros no crédito. "Temos trabalhado muito para manter nossa participação de mercado", afirmou o executivo.

Como as novas taxas começaram a valer nas agências a partir de hoje, o Bradesco ainda não tem um balanço preliminar dessas operações. O Bradesco cortou os juros em segmentos como veículos, consignado e crédito para pequenas empresas. Nos fundos de investimento, o banco avalia medidas para manter os fundos competitivos, nas palavras de Angelotti. O executivo, porém, não sinalizou se as taxas de administração devem ter cortes no Bradesco.

Angelotti destacou que, até o momento, não houve migração de recursos de fundos para a poupança, por conta da queda de juros e a rentabilidade mais atraente da caderneta na comparação com alguns fundos de varejo.

Tudo o que sabemos sobre:
Bradescobalançojuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.