Bradesco inaugura mais de mil agências no segundo semestre de 2011

Com expansão, instituição contratou 5,9 mil novos funcionários

Altamiro Silva Junior, da Agência Estado,

15 de dezembro de 2011 | 16h26

SÃO PAULO - O Bradesco inaugurou mais de 1 mil agências neste semestre, algo inédito na história do banco, segundo o presidente da instituição, Luiz Carlos Trabuco Cappi. Na última quarta-feira, 14, foi aberta a agência de número 1.003.

Neste processo de expansão, o banco contratou 5,9 mil novos funcionários. Segundo Trabuco, estão sendo abertas unidades em municípios com forte potencial de crescimento, como na cidade de Tailândia, no Pará. O município, com 70 mil habitantes, é maior produtor mundial de biodiesel à base de dendê. "Queremos ser o banco de todas as cidades, pequenas, médias e grandes."

Trabuco estima que em 2012 vão entrar no sistema bancário brasileiro cerca de 6 milhões de pessoas. "O crescimento orgânico é nossa resposta a essa realidade", disse ele durante evento de final do ano do Bradesco com a imprensa. Com as novas inaugurações, o banco chegou a uma rede total de 8,2 mil agências.

Estratégia

Dentro da estratégia de crescimento orgânico e de compensar a perda da rede do Banco Postal, o Bradesco investiu R$ 890 milhões para abrir mais de mil agências no País este ano. Trabuco conta que esse será o diferencial competitivo do banco, com rede de atendimento presente em todo o País. "Queremos ser o banco das pequenas, médias e grandes cidades", disse ele.

Com as novas unidades, o Bradesco chegou até o momento a uma rede de 8,218 mil pontos. Pelo ranking do Banco Central de outubro, o Banco do Brasil é a instituição com maior rede de atendimento no País, com 5,2 mil agências. Mas em janeiro, o BB passa a administrar o Banco Postal dos Correios, com mais de 6 mil pontos de atendimento.

A estratégia de acelerar a expansão da rede do Bradesco, segundo Trabuco, é uma forma de compensar a perda do Banco Postal. Além disso, o Bradesco passa em janeiro a administrar a folha de pagamento dos funcionários do Estado do Rio e precisou reforçar a rede lá.

Trabuco diz que o foco é procurar regiões emergentes do País, com potencial de se transformarem em polos comerciais. Ele cita como exemplo uma agência recém aberta na cidade de Tailândia, no Pará. Com 70 mil habitantes, o município é um dos maiores produtores mundiais de biodiesel a base de dendê. No processo de expansão, o banco contratou 5,9 mil funcionários.

"Fomos o primeiro banco a ir para o norte do Paraná quando ninguém queria ir para lá", disse o executivo. Cerca de 60% das novas inaugurações feitas este ano ficaram no Sudeste e Nordeste. O Sul contou com a abertura de cerca de 200 pontos. Na região Norte, foram abertas cerca de 100 unidades.

Trabuco acha que ainda há espaço para mais aberturas de agências bancárias no Brasil. Os índices de inclusão bancária e de agências por habitantes ainda são baixos no Brasil na comparação com outros países, destaca. Por aqui, são 1,4 mil agências para cada 10 mil habitantes. Na Europa e Estados Unidos, essa média sobe para 3,2 mil.

"A economia vai continuar crescendo. São mais pessoas no sistema financeiro". O Bradesco prevê que o sistema bancário ganhe 6 milhões de novos clientes em 2012. "O crescimento orgânico é nossa resposta a essa realidade", disse ele. "Se não chegarmos a 150 milhões de clientes com essa estratégia é porque algo deu errado", afirmou.

Custos

Trabuco reconhece que a expansão da rede vai pressionar as despesas do banco. "Será um impacto pequeno", disse ele. O argumento do presidente do Bradesco é que há muitas agências abertas recentemente já gerando receitas, que compensam os custos de abrir as novas unidades.

As unidades abertas, segundo o Trabuco, possuem baixo custo operacional. Das 1.000 abertas, em torno de 800 são de menor porte, com estrutura mais enxuta.

Crise

Os bancos podem ter queda de margens em 2012, prevê Trabuco. "O ano de 2012 não será um ano difícil, será um ano desafiador para os bancos", disse o executivo.

Trabuco destaca que a crise lá fora traz incertezas, mas o cenário aqui no Brasil é de crescimento da economia e queda dos juros. A própria redução da Selic é um dos fatores que contribuem para pressionar as margens dos bancos.

Sobre o projeto de internacionalização do Bradesco, Trabuco destacou que o foco do banco é o Brasil e o mercado interno. "Abrimos uma agência em Tailândia em novembro, mas é a cidade de Tailândia no Pará", brincou o executivo.

Para 2012, Trabuco prevê o que mercado bancário ganhe 6 milhões de novos clientes, graças ao aumento do nível de emprego e da renda da população.

(Texto atualizado às 18h46)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.