BRADESCO quer abrir escritório em Dubai ou Cingapura

O Bradesco, maior banco privado doBrasil, espera expandir ainda mais sua divisão de corretagemcom a abertura de um escritório em Dubai ou Cingapura, disse àReuters o diretor da subsidiária de investimentos dainstituição. A unidade na Ásia ou no Oriente Médio, cuja aberturasucederia a recente inauguração de uma corretora em Londres, éum sinal do comprometimento do Bradesco com o fortalecimento doseu banco de investimento mesmo com a crise de crédito, disseJosé Luiz Acar em entrevista na quarta-feira. "Não estamos assustados com o que consideramos uma situaçãomomentânea", declarou na sede do Bradesco. "Achamos que oBrasil está crescendo, está indo bem, e continuará indo poralguns anos. Não vemos nada que possa ameaçar isso." O escritório seria relativamente pequeno, e teria oobjetivo de vender bônus ou outros ativos para investidoreslocais. "Nossas equipes irão até lá para avaliar a situação",disse, acrescentando esperar que a nova unidade seja abertaainda neste ano. O ritmo de contratações do banco de investimento, quecresceu fortemente a partir de 2006, vai diminuir neste ano,mas isso tem mais a ver com o cumprimento do plano anterior deexpansão do que com os problemas do mercado, disse Acar. "Hoje eu tenho 90 por cento da equipe que quero", disse."Nós certamente vamos fazer as contratações que precisamos paracompletar isso." O banco, que no passado era ativo apenas na área de rendafixa, construiu suas operações em ações praticamente do nadanos últimos dois anos com a contratação de 14 analistas. Issofazia parte de um projeto mais amplo para reunir váriasoperações de banco de investimento, gestão de ativos,tesouraria e operações de securitização em apenas um teto,chamado Banco Bradesco de Investimento (BBI). Acar, que comanda o BBI, disse que a expansão visa tornar obanco um dos três principais players do Brasil, mas elereconhece, porém, que a forte competição em áreas que vão dagestão de fundos à garantia de dívida pressiona por margensapertadas. O sucesso em operações como a abertura de capital da Bolsade Mercadorias & Futuros (BM&F) ajudou o Bradesco a saltar da26a para a 8a posição no ranking do mercado brasileiro decapitais em 2007. "Neste ano, por causa das condições fora do país, o mercadose retraiu, mas ainda achamos que há espaço para IPOs (ofertapública inicial de ações) de companhias grandes e conhecidas",disse, acrescentando que há pouca dúvida de que as empresasmenores, que tiveram facilidade para vender ações no anopassado, vão enfrentar mais dificuldades em 2008. Mesmo assim, a desaceleração dos IPOs pode criaroportunidades em outras áreas, como garantia de dívida e fusõese aquisições, afirmou. O Bradesco tenta se beneficiar de potenciais acordos nãoapenas como consultor, mas também como comprador. No anopassado, o banco separou 2 bilhões de reais (1,2 bilhão dedólares) para potenciais investimentos em private equity. OBradesco, porém, só gastou cerca de 100 milhões de reais dessemontante até aqui, em uma companhia de geração de energia. "Eu acho que nós faremos alguns investimentos neste ano",disse, acrescentando que outros fundos de private equityconvidaram o Bradesco para participar de alguns acordos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.