Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Bradesco tem lucro de R$ 5,47 bi no trimestre, aumento de 13,7% em um ano

Na comparação com os três meses imediatamente anteriores, resultado cresceu 6%

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2018 | 10h36

O Bradesco obteve lucro líquido recorrente de R$ 5,471 bilhões no terceiro trimestre deste ano, cifra 13,7% maior que a registrada um ano antes, de R$ 4,810 bilhões. Na comparação com os três meses imediatamente anteriores, quando o resultado foi de R$ 5,161 bilhões, cresceu 6,0%.

"O crescimento do lucro neste trimestre contou com a boa evolução da margem financeira e a performance das despesas com PDD (expandida), que permaneceram praticamente estáveis mesmo considerando o crescimento do crédito", explica o Bradesco, em relatório que acompanha as suas demonstrações financeiras.

O presidente do Bradesco, Octávio de Lazari, afirmou que o banco teve um trimestre bom apesar da volatilidade no câmbio e ainda o cenário eleitoral no Brasil. "O terceiro trimestre foi marcado pela volatilidade no câmbio e ainda as eleições, mas conseguimos entregar um trimestre bom", disse ele, em teleconferência com a imprensa, nesta manhã.

Sobre o comparativo anual, o banco destaca que, além de maiores receitas com a margem financeira, houve também redução nas despesas com PDD (expandida), maiores resultados com operações de seguros, previdência e capitalização e evolução nas receitas de prestação de serviços.

No acumulado do ano até setembro, o lucro líquido recorrente do banco foi a R$ 15,734 bilhões, expansão de 11,1% em relação ao mesmo intervalo de 2017, quando era R$ 14,162 bilhões.

A carteira de crédito expandida do Bradesco somava R$ 523,431 bilhões ao fim de setembro, 1,5% maior que o saldo de junho, de R$ 515,635 bilhões. Em um ano, quando os empréstimos totalizavam R$ 486,864 bilhões, foi uma expansão de 7,5%.

No terceiro trimestre, o destaque de crescimento foi o segmento de pessoas físicas. A carteira de indivíduos registrou saldo de R$ 186,159 bilhões, 1,8% superior aos três meses anteriores e 8,1% em 12 meses. Na pessoa jurídica, o saldo foi de 337,272%, elevações de 1,3% e 7,2%, respectivamente.

O Bradesco fechou setembro com R$ 1,357 trilhão em ativos totais, aumento de 3,4% ante um ano, quando somava R$ 1,312 trilhão. Ante junho, quando estava em R$ 1,306 trilhão, foi identificada alta de 3,9%.

Seu patrimônio líquido alcançou R$ 115,670 bilhões no terceiro trimestre, cifra 4,9% maior que a registrada 12 meses antes, de R$ 110,301 bilhões. Na comparação com o trimestre anterior, de R$ 113,039 bilhões, cresceu 2,3%.

A rentabilidade do banco (ROE, na sigla em inglês) foi a 19,0% no terceiro trimestre, elevação de 0,6 ponto porcentual em comparação ao segundo, de 18,4%. Ante um ano, houve melhora de 1 p.p.

Recorrente versus ajustado

O Bradesco divulgou ainda que registrou lucro líquido contábil de R$ 5,009 bilhões de julho a setembro, salto de 73,68% em relação ao registrado um ano antes, de R$ 2,884 bilhões. Na comparação trimestral, quando somou R$ 4,528 bilhões, a alta foi de 10,62%.

A diferença entre o lucro recorrente e contábil do banco, conforme explica a instituição em relatório, se deu por conta de R$ 381 milhões de amortização de ágio com aquisições no terceiro trimestre e, principalmente, o impacto bilionário do plano de demissão voluntária (PDV) há um ano.

Mais conteúdo sobre:
Bradesco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.