Bradesco vê pouco espaço para reprecificação de empréstimos

O Bradesco vê espaço escasso para mais aumentos em taxas de empréstimos, mesmo com a expectativa do Banco Central de aumentar custos de empréstimos no país nos próximos trimestres, disseram executivos da instituição financeira nesta sexta-feira.

REUTERS

31 de outubro de 2014 | 11h15

Executivos disseram em teleconferência para discutir os resultados do terceiro trimestre que esperam que os spreads brutos tenham tendência de queda no próximo ano, à medida em que o segundo maior banco privado do Brasil caminha para um plano de emprestar mais em segmentos de mercado de crédito de risco e de rendimento menores.

Apesar dos custos de empréstimos maiores, o Bradesco espera melhorar a estrutura de seus custos de financiamento nos próximos trimestres, disseram os executivos.

Na quarta-feira, o BC aumentou a taxa básica de juro Selic em 0,25 ponto percentual, para 11,25 por cento ao ano, surpreendendo o mercado. A expectativa é que esse seja o começo de um novo ciclo de aperto monetário para combater a inflação.

(Por Guillermo Parra Bernal)

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSBRADESCOCREDITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.