Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Brahma retoma mote do siri em nova campanha

A polêmica está de volta ao mercado de cerveja. Sem anunciar desde acampanha com Zeca Pagodinho, que criou polêmica ao usar o protagonista da concorrente Nova Schin em sua campanha, a cerveja Brahma, da AmBev, traz de volta o mote do seu famoso siri: o ?nãnãnãnã?. Seguindo as novas regras do Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária (Conar), que impede o uso de personagens de animação, cujo caráter lúdico pode influenciar o público infantil, o publicitário Nizan Guanaes, da agência de publicidade Africa, busca a expressão que o siri dizia quando fugia depois de ter bebido a cerveja de um banhista.Com o siri está impedido de aparecer, o comercial apresenta uma lata furada, com a cerveja Brahma saindo pelos buracos. Um grupo deamigos brindando ergue as latas e grita: ?Nãnã Nãnããããã!?. Naseqüência, os brindes ?à sua coragem por ter tomado a Brahma daquelecara no comercial...? e ?Por ter nos dado o nosso grito deindependência, de liberdade...?. Um deles não brinda. Perguntado omotivo, diz que era o cara que perdeu a cerveja para o siri. A frase ?Para refrescar sua vida e a sua sede, Brahma, a cerveja oficial do Nãnãnãnã? encerra o filme. Criada pela F/Nazca, de Fábio Fernandes, a campanha do sirifez sucesso no início de 2001. E Nizan Guanaes e sua agência Africa, que fizeram a estréia com Brahma com Zeca Pagodinho, busca repetir o êxito do personagem. Com uma fatia de 19,5% do mercado brasileiro de cerveja em maio, depois de crescer 0,5 ponto porcentual em relação a abril, a Brahma é hoje a segunda marca do mercado brasileiro, perdendo apenas para Skol, também da AmBev. O Conar divulgou nesta quinta-feira uma decisão que remonta à campanha de Zeca Pagodinho, dizendo estar impedida a AmBev e sua cerveja Brahma de usar a imagem do cantor e compositor de pagode e a música ?Amor deVerão?. A Schincariol já havia conseguido na justiça o veto à utilização de seu ex-contratado.

Agencia Estado,

17 de junho de 2004 | 21h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.