ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Brascan assume controle total de seu banco sem temor com crédito

Apesar do cenário de aperto global docrédito, a Brascan Brasil, subsidiária da canadense BrookfieldAsset Management, tornou-se nesta terça-feira a única dona doBanco Brascan, depois de comprar a fatia de 40 por cento quepertencia ao Bank of New York Mellon Corporation. Segundo o presidente da companhia, a aquisição dá à empresamais flexibilidade para os investimentos, com foco eminfra-estrutura. "A grande mudança que ocorre com a aquisição dessaparticipação minoritária é que permite a integração completa doBanco com a Brascan Brasil", disse Luiz Simões Lopes, recémnomeado presidente da Brascan Brasil. O executivo era até entãopresidente do Banco Brascan. O banco de investimentos, com escritórios em São Paulo e noRio de Janeiro, atua em fusões e aquisições, consultoria,underwriting, empréstimos para empresas, corretagem e serviçosde administração. O valor do negócio não foi revelado, mas Lopes descartouqualquer dificuldade de financiamento. "O que a gente vê é que essa crise está ocorrendobasicamente nos mercados internacionais, no Brasil praticamentenão acontece nas operações em reais. O funding local continuatranquilo e abundante", disse à Reuters o executivo, quetrabalha há 15 anos no grupo. "(Já) o dinheiro lá fora hoje está fechado." A Brookfield Asset Management tem 75 bilhões de dólares emgestão, enquanto a Brascan Brasil tem 4 bilhões de dólares. INVESTIMENTOS A Brasil Brascan pretende manter o foco em infra-estrutura,como a Brookfield faz no resto do mundo, mas vê oportunidadestambém em áreas como agribusiness e florestas. "O Brasil é um mercado extremamente promissor para estesetor porque... há necessidade de muito investimento eminfra-estrutura", comentou o presidente da companhia. "Temos interesse em diversas (áreas)...sejam mais linhas detransmissão, estradas pedagiadas, portos, dutos." No ano passado o grupo captou 800 milhões de dólares paraum fundo de investimentos no setor de shoppings centers epretende fechar até o mês que vem um novo fundo de florestas,segmento no qual a empresa já tem ativos no Paraná, em SantaCatarina e em Minas Gerais --basicamente pinos e eucaliptos. "Esse é um ativo que nós gostamos muito, de longo prazo,baixa volatilidade, demanda crescente no mundo. E o Brasil temcondições fantásticas de competitividade no setor de madeira,por uma combinação de clima favorável e avanços genéticos",disse Lopes. A Brascan Brasil quer ainda fechar um terceiro fundo até ofim de 2007, dedicado à atividade de agribusiness, onde aempresa já investe em gado, pecuária, produção decana-de-açúcar e soja. O executivo evitou dar detalhes sobre o valor desses fundose também descartou planos de uma nova oferta de ações, depoisda operação da unidade imobiliária, a Brascan Properties, quelevantou cerca de 1 bilhão de reais há cerca de um ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.