Brasil, Argentina e EUA assinam carta para o governo chinês

Brasil, Argentina e Estados Unidos vão assinar em conjunto uma carta a ser enviada ao governo da China na qual estarão expressas as preocupações sobre as sucessivas barreiras à soja e derivados aplicadas recentemente em portos chineses. A intenção dos governos dos países exportadores do complexo soja é harmonizar as regras comerciais junto ao governo do maior mercado importador do setor.A decisão pela assinatura conjunta da carta foi tomada na sexta-feira, em Buenos Aires, durante reunião entre exportadores dos três países com o ministro da Agricultura do Brasil Roberto Rodrigues; com o secretário de Agricultura da Argentina Miguel Campos; e com o subsecretário de Agricultura dos EUA Jim Butler.O setor privado foi representado no encontro pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), Associação Nacional de Exportadores de Cereais (Anec), Cámara de La Industria Aceitera de la República Argentina (Ciara), Centro de Exportadores de Cereales (CEC), National Oilseeds Processors Association (Nopa) e North American Export Grain Association (Naega).No encontro de Buenos Aires, o setor privado mostrou aos ministros que a China depende de importações de soja e derivados, e que os três países podem atender à demanda desde que o comércio não seja obstruído por regras técnicas inconsistentes. Os exportadores também disseram aos ministros que a China deve ser instada a respeitar contratos internacionais amplamente aceitos por todos os demais países participantes do comércio.A carta a ser enviada ao governo chinês vai sugerir ainda a criação de um grupo de trabalho conjunto, com representantes dos quatro países, com o intento de rever os regulamentos hoje vigentes na China e adequar as regras às normas da Organização Mundial do Comércio (OMC).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.