Brasil ataca barreiras dos EUA na OMC

Quatro anos depois da eclosão da pior crise mundial, a ação do governo dos Estados Unidos para salvar sua economia transformou o superávit brasileiro com os EUA em um déficit de US$ 4 bilhões e criou sérias distorções no comércio internacional.

JAMIL CHADE , CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2012 | 02h08

A denúncia foi apresentada ontem pelo Itamaraty durante o exame da política comercial dos EUA, realizado pela Organização Mundial do Comércio OMC). China, Europa e dezenas de países também atacaram as barreiras dos EUA.

Para o Brasil, o governo americano tem ampliado as medidas restritivas e violado regras internacionais. Em seu informe preparado para a sabatina, a OMC também criticou as barreiras dos EUA às importações, as limitações aos investimentos estrangeiros e alertou para a proteção considerada elevada a produtos agrícolas, têxteis e calçados.

Brasília não perdeu a oportunidade de atacar o que acredita ser uma política deliberada dos EUA para desvalorizar sua moeda e, assim, ampliar as exportações. "Os EUA adotaram uma política monetária e fiscal expansionista que levou a uma progressiva desvalorização do dólar", apontou Roberto Azevedo, embaixador do Brasil na OMC.

Citando o informe da entidade, o diplomata apontou como o dólar sofreu desvalorização de cerca de 25% entre 2002 e 2008 e de mais 16% entre 2009 e 2011. Segundo o Brasil, a injeção de dinheiro dos americanos para resgatar seus bancos e economias acabou sendo direcionado a outros países, "promovendo uma valorização artificial" de outras moedas, como o real.

Azevedo deixou claro que foi por causa da valorização do real nesse mesmo período que a balança comercial entre Brasil e EUA sofreu mudança profunda, justamente nos anos da crise. "O superávit brasileiro de cerca de US$ 6 bilhões foi transformado em um déficit de quase US$ 4 bilhões em apenas cinco anos", disse. "Acreditamos que essa mudança é em grande parte explicada pela forte desvalorização do dólar em relação a real."

Resposta. Nas respostas enviadas ao Itamaraty por escrito e obtidas pelo Estado, o governo americano rejeita as acusações. Segundo a Casa Branca, o dólar tem se mantido no mesmo patamar desde 2008 e, de acordo com o FMI, a moeda americana estaria até mesmo "sobrevalorizada entre 0 e 10%".

Washington ainda fez questão de apontar como os estudos do FMI destacaram que não existem evidências de que a política monetária americana tenha gerado um fluxo de capital para fora. Citando o presidente do Federal Reserve (Fed), Ben Bernanke, a diplomacia americana disse que o que está gerando fluxo de capital aos emergentes é a taxa de crescimento nesses mercados.

A administração de Barack Obama fez questão de negar qualquer acusação de que estaria usando o dólar para atingir metas comerciais e insistiu que o Fed é independente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.