FreeImages
FreeImages

Brasil atrai investidor estrangeiro e saldo cambial fica positivo em US$ 13 bilhões em abril

Resultado foi influenciado pelo bom humor dos investidores estrangeiros com juro alto no Brasil e real desvalorizado; saldo de dólares no mês é o maior desde julho de 2011

Mariana Congo, O Estado de S. Paulo

06 Maio 2015 | 13h00

A desvalorização do real e o juro alto no Brasil atraíram fortemente o investidor estrangeiro para aplicações no País em abril.

O saldo cambial positivo ficou em US$ 13,1 bilhões em abril, conforme divulgou o Banco Central nesta quarta-feira, 6. No mesmo mês de 2014, o saldo estava no azul em US$ 2,8 bilhões. O resultado positivo de abril é o maior desde julho de 2011, quando ficou positivo em US$ 15,8 bilhões.

A conta de operações financeiras, que abarca os investimentos de estrangeiros nos País, ficou positiva em US$ 10 bilhões em abril. Já a diferença da conta entre exportações e importações deixou o saldo do comércio exterior positivo em US$ 3,1 bilhões. A soma dos dois números resulta no saldo cambial de US$ 13,1 bilhões em abril.

Por que o estrangeiro quer aplicar no Brasil? Com real desvalorizado, está barato para o investidor estrangeiro aplicar no Brasil (um dólar compra cerca de três reais, no atual patamar de câmbio). Em abril, a Bovespa registrou saldo recorde de capital externo - R$ 7,6 bilhões -, ou seja, há a percepção de que as ações brasileiras estão atrativas. 

A Bolsa teve alta de 9,93% em abril, influenciada pelo desempenho positivo das ações da Petrobrás - após a divulgação do balanço -, e da Vale - com certa recuperação do preço do minério de ferro.

A alta do juro básico (taxa Selic), também faz com que os investimentos em renda fixa no Brasil, como os títulos do Tesouro, ofereçam alta rentabilidade e sejam atrativos. A taxa Selic chegou ao patamar de 13,25% ao ano em abril. Em julho de 2011, quando também houve entrada recorde de dólares no País, a taxa básica de juros era de 12,50% ao ano

Mais conteúdo sobre:
câmbio dólar fluxo cambial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.