Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Brasil aumenta investimentos em títulos dos EUA

O Brasil aumentou novamente os investimentos em títulos do Tesouro norte-americano em junho, mas se manteve em sexto lugar no ranking dos maiores detentores estrangeiros de Treasuries. A China, que ocupa a primeira posição, reduziu a posição em Treasuries, enquanto o Japão e o Reino Unido aumentaram os investimentos nos títulos. Em junho, o Brasil detinha US$ 139,8 bilhões em Treasuries, um nível acima dos US$ 127,1 bilhões de maio, segundo tabela divulgada hoje no site do Tesouro norte-americano.

NATHÁLIA FERREIRA, Agencia Estado

17 de agosto de 2009 | 10h38

A China reduziu a posição em Treasuries para US$ 776,4 bilhões em junho, ante os US$ 801,5 bilhões registrados em maio. Em segundo lugar no ranking, o Japão aumentou sua posição em Treasuries e se aproximou da China, com US$ 711,8 bilhões em junho, ante os US$ 677,2 bilhões de maio.

O Reino Unido subiu dois degraus no ranking e passou para o terceiro lugar, ao elevar sua posição em Treasuries para US$ 214,0 bilhões em junho. Em maio, a posição estava em US$ 163,8 bilhões. No quarto lugar do ranking estão os países exportadores de petróleo, com US$ 191,0 bilhões e, em sexto lugar, estão os centros bancários do Caribe, com US$ 189,7 bilhões.

Aquisições

As compras líquidas por estrangeiros de títulos dos EUA de longo prazo totalizaram US$ 71,3 bilhões em junho, após vendas líquidas de US$ 36,9 bilhões em maio, mostrou o relatório do Departamento do Tesouro. O relatório destaca as aquisições de títulos com vencimentos superiores a um ano, incluindo transações fora do mercado, como swaps com ações e pagamento do principal em títulos lastreados por ativos.

O dado que exclui as transações que não foram realizadas no mercado aberto mostrou compras líquidas de US$ 90,7 bilhões em títulos dos EUA de longo prazo em junho, após vendas de US$ 19,4 bilhões em maio.

A categoria mais abrangente de fluxo mensal de capital internacional - que inclui fluxo fora do mercado, títulos de curto prazo e mudanças nas posições em dólar dos bancos - mostrou saída líquida de capital estrangeiro de US$ 31,2 bilhões em junho, após saída líquida de US$ 65,7 bilhões no mês anterior.

Dentro da categoria de títulos de longo prazo, as compras líquidas estrangeiras de T-notes e T-bonds totalizaram US$ 100,5 bilhões em junho, após vendas de US$ 22,6 bilhões em maio. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
títulosTreasuriesEUABrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.