Brasil barra trigo importado da Ucrânia

As 82 mil toneladas de trigoimportadas da Ucrânia que se encontram estocadas em navios nosportos de Fortaleza (CE) e Salvador (BA), só poderão serdescarregadas depois que forem tratadas com o agrotóxico Brometode Metila, e submetidas a análise fitossanitária por laboratóriocredenciado pelo Ministério da Agricultura. A determinação é doDepartamento de Defesa e Inspeção Vegetal do Ministério daAgricultura e tem como objetivo evitar o ingresso do fungoAlternaria Triticina, inexistente no Brasil. O fungo foi detectado em uma das amostras colhidas juntoa carga do primeiro de cinco navios que atracaram em Fortalezano dia 2 deste mês. No mesmo dia, segundo o diretor substitutodo Departamento, Oscar de Aguiar Rosa, o Ministério comunicou àEmbaixada da Ucrânia que qualquer carga de trigo procedentedaquele país que tivesse sido embarcada até o dia 3 teria queser submetida à fumigação com Brometo de Metila,independentemente de estar contaminada pelo fungo Alternaria. Depois desse procedimento, será feita ainda uma análisefitossanitária para confirmar o extermínio da praga. Aorientação é para que a fumigação com o agrotóxico seja feita nopróprio navio, antes de atracar no porto. Do total de 82 miltoneladas de trigo importado, 70 mil toneladas estão no porto deFortaleza e 12 mil toneladas no porto de Salvador, segundo oMinistério da Agricultura. No mesmo comunicado enviado à embaixada ucraniana, oMinistério informou que as cargas que tiverem sido embarcadasdepois do dia 3 deste mês não poderão ingressar no Brasil, a nãoser que estejam acompanhadas de um laudo de análise de risco.Oscar explicou que as normas do Ministério da Agriculturadeterminam que, quando o fungo for detectado em algum produtoimportado, a carga deve ser rechaçada ou destruída, embora sejapassível de tratamento. No caso das importações da Ucrânia, noentanto, como o Brasil está precisando do trigo, devido àsdificuldades na importação ocasionadas pela elevação do dólar, ogoverno decidiu optar pela fumigação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.