Brasil busca oportunidades comerciais em El Salvador

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, pediu nesta sexta-feira ao governo e ao setor privado de El Salvador que explore novos mercados e possibilidades de investimento entre os dois países.Furlan, que lidera uma missão comercial brasileira, chegou na noite de quinta-feira a El Salvador ,procedente da Guatemala, em uma viagem pela região centro-americana. O ministro e a vice-presidente de El Salvador, Ana Vilma de Escobar, inauguraram nesta sexta o seminário "Oportunidades de Negócios entre Brasil e El Salvador", onde expuseram as possibilidades de dar um novo impulso às suas relações econômicas entre os dois países.Após afirmar que o Brasil "é muito mais que samba, café e futebol", Furlan disse que seu país "busca a competitividade com a mesma paixão que tem pelo futebol, e com muita tecnologia".O ministro convidou o governo e o setor privado de El Salvador a estudar especialmente as vantagens do uso do etanol como alternativa de combustível perante os altos preços do petróleo no mercado mundial.Por sua vez, a vice-presidente salvadorenha destacou em sua exposição as vantagens de investir em seu país e de considerá-lo como um centro para a distribuição de produtos brasileiros por sua posição geográfica "no coração" da América Central e por ter sido o primeiro país onde entrou em vigor o Tratado de Livre-Comércio entre América Central e Estados Unidos, em 1º de março.Projeto Entre os projetos que mencionou para os empresários brasileiros figuram a interconexão elétrica e uma rede de fibra óptica para as telecomunicações entre os países centro-americanos, no marco do Plano Puebla Panamá (PPP), firmado com o México em junho de 2001.Um porta-voz da Câmara de Comércio e Indústria de El Salvador informou à EFE que a instituição organizou para esta sexta 191 encontros de negócios entre empresários brasileiros e homólogos salvadorenhos.A mesma fonte acrescentou que os setores representados nessas reuniões são os de energia elétrica, produtos lácteos, calçado, cerâmica, cosméticos, distribuidores de eletrodomésticos, indústria agrícola, produtos têxteis, consultorias, transporte de carga, autopeças, equipamentos médicos e remédios, entre outros.Segundo estatísticas da Câmara de Comércio, El Salvador importou do Brasil, em 2005, um total US$ 261 milhões, e exportou US$ 1,3 milhão.A missão brasileira concluirá sua visita a El Salvador amanhã, quando viajará para Honduras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.