Brasil cai para 24º entre emergentes que investem no exterior

A internacionalização de empresas de países emergentes praticamente dobrou entre 1985 e 2003, mas o Brasil não acompanha o ritmo de crescimento puxado sobretudo pela Ásia. Segundo dados da Comissão da ONU para Comércio e Desenvolvimento (Unctad), no período 1983-1989, o Brasil enviou ao exterior o equivalente a US$ 200 milhões na forma de Investimento Estrangeiro Direto (IED). No período entre 1993 e 1995, enquanto os dez principais investidores estrangeiros emergentes enviaram ao exterior cifras acima de US$ 1 bilhão (no período, o IED na China foi de US$ 21,4 bilhões), o Brasil caía para a 11ª posição entre os quinze mercados emergentes com maior investimento direto, com o equivalente a US$ 800 milhões. A situação do País piorou ainda mais no período entre 2002 e 2003, quando o País foi rebaixado à 24ª posição, investindo na internacionalização apenas US$ 200 milhões no período. Ainda assim, o Brasil é o quinto principal investidor estrangeiro em estoque, com US$ 66 bilhões até o fim de 2004. Em 1994, os estoques de investimentos estrangeiros diretos do Brasil eram US$ 43,4 bilhões, colocando o País na 2ª posição entre os principais investidores emergentes. Dez anos antes, o Brasil era o primeiro investidor direto estrangeiro entre os emergentes, com um estoque de US$ 39,4 bilhões. De acordo com o ex-secretário geral da Unctad, embaixador Rubens Ricupero, o que explica o menor ritmo de internacionalização das empresas brasileiras é a baixa poupança interna. Outro fator é o preconceito dos empresários brasileiros em relação à internacionalização. Ele lembrou ainda que nos últimos anos, a internacionalização de empresas brasileiras se deu como forma de driblar as barreiras internacionais ao comércio, como foi o caso das siderúrgicas e das empresas de suco de laranja. "Não há uma concentração da internacionalização em um ou outro setor. Aqui, as empresas vão para fora de acordo com situações específicas", disse Ricupero.

Agencia Estado,

30 Maio 2005 | 14h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.